Portal NFL

MENU
Logo
Terça, 24 de novembro de 2020
Publicidade
Publicidade

Coluna

Memórias postas em xeque: muda de nome o Ginásio Costa Cavalcanti?

Proposição aprovada em 86 mudaria o nome do maior Ginásio de Esportes de Foz, e há outros locais que também precisam ser alterados

282
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Antônio Gonçalves, esse seria o nome homenageado na proposta do parlamentar iguaçuense Severino Sacomori, do Movimento Democrático Brasileiro, aprovada em 1986 por sete votos a seis na Câmara Municipal de Foz, e conforme anunciamos na coluna anterior (https://bityli.com/4KEva), sairia da quadra "Costa Cavalcanti" que batiza o Ginásio desde sua fundação - ocorrida quatro anos antes da votação - para entrada de "Kid Chocolate", apelido do marinheiro da Marinha do Brasil, boxeador, e que ajudou a fundar entidades esportivas locais como: Flamengo EC e 84º Boxing Club¹ em 1954*, além da Liga Iguaçuense de Futebol (LIF), há 45 anos.

Fomos ao legislativo do município e estamos procurando arquivos em relação a esta proposição, também estivemos na Marinha solicitando maiores informações sobre a passagem de Kid pela Capitania Fluvial do Rio Paraná, mas ainda não obtivemos respostas, até porque ele se travava de um destas transferências por insubordinação, chegando em 1952 vindo do Rio de Janeiro após ter golpeado um oficial (Capitão supostamente).

Uma das primeiras pessoas com quem conversei sobre a trajetória do pugilista, e também falamos um pouco sobre as nossas passagens pessoais pela militância político partidária, foi Fabio Campana, escritor paranaense de renome, nascido em Foz do Iguaçu (1947-) e que fora uma das muitas crianças treinadas no querido rubro negro, além de ser destacado testemunho na forma escrita sobre uma cidade que é lembrada com nostalgia:

"O bom Kid Chocolate foi parar na fronteira na condição de punido. Era assim. Foz do Iguaçu foi o exílio involuntário para militares insubordinados, funcionários relapsos, padres licenciosos e freiras que desrespeitavam o voto de castidade. Um grupo humano interessante, de qualidade associadas à inteligência e à ousadia. Insubmisso, inconformista, irreverente. Gente que veio de todo o Brasil para se encontrar, literalmente, no fim da linha. Somados aos imigrantes de todo o mundo."² 

Já apontamos anteriormente aqui no Portal NFL, que a discussão sobre mudança de nome do Ginásio rendeu polêmica entre defensores da mesma e aqueles de preferência para que fique como esta, alegando possível "confusão". A estes últimos coloco uma pequena provocação, ocorrida durante as ocupações dos Colégios em todo país, mas calma que o ditador Castelo Branco voltou a ser homenageado!

Fonte: www.catracalivre.com.br

Como fui do movimento secundarista e sigo alinhado com as lutas de diversos movimentos sociais, acompanhei (como ex-dirigente estudantil) de perto este período em que se buscava derrubada da PEC 24 de "r(d)eforma" do ensino médio de Michel Temer, o último presidente golpista. Os jovens estudantes ao exaltarem Clarice Lispector (1920-1977) (1), derrubavam igualmente o militar do Golpe, que deu início a Ditadura no ano de 1964 e só findaria após 21 longos anos de chumbo.
Por tanto, a reparação histórica de modificar o nome do atual Ginásio Costa Cavalcanti para "Kid Chocolate", seria algo completamente viável, afinal, até onde nos consta foi essa a decisão dos representantes da cidade, mas o que nos chama a atenção nas fontes que dão base para sabermos dos votos, é que somente cinco dos opositores são citados no "Jornal Nosso Tempo".
Ah, ainda tivemos novas discussões de quem reivindica que seja falado a cerca de alguns órgãos de imprensa pioneiros da cidade, e aqui ao menos na Coluna pretendemos tratar do maior número possível de fenômenos e sujeitos históricos presentes nas memórias iguaçuenses, mas é um passo de cada vez, o que não nos seria permitido é negar ou ofuscar as fontes utilizadas para contextualização dessa própria publicação.

Aliás, para arrepios alheios falaremos com carinho deste jornal em muitos episódios que tratam do período ditatorial, afinal, buscamos variados prismas ao abordarmos um tema eleito, tentando fugir apenas da versão dita como oficializada, institucionalizada, disciplinada e quando não, ensinada como a História que tem de ser contada nas escolas, livros didáticos, museus, praças, ruas, etc.

Verdade seja dita, sempre que me for permitido este direito de livre expressão, pois poder publicar como o faço agora, custou a vida de muitos jovens que também queriam deixar suas contribuições e ideias, tendo sido por estes e outros fatores duramente perseguidos, muitos torturados e milhares de latino-americanos acabaram mortos durante a Operação Condor, inclusive há um memorial localizado na Pç. Naipi em frente ao JL Shopping, também conhecida por "Praça do Rap" (principalmente para quem é do Movimento Hip Hop), lançado em 2011 que lembra os "Desaparecidos Políticos na América Latina".

Para além disto, outro Vereador - José Carlos Neres do PMN, em conjunto com o Centro de Direitos Humanos e Memória Popular (CDHMP), apresentaram em 2015 "(...) projeto que permite a substituição de nomes de logradouros públicos da cidade que façam referência aos regimes ditatoriais instalados no Brasil." (2), onde se propunha modificação de três localidades que podem ser conferidas em matéria da Rádio Cultura Foz: https://bityli.com/DSRvO

Edição nº 210, 1986 (p. 3)

Mas voltando ao mandato de Sacomori (MDB), ele era um dos 11 sócios do "Nosso Tempo"³ que acompanhou a votação, e apontou quem se opôs à mudança: "Kuster, Wádis, Koebl, Bianco e Emerson foram contra a troca de nome do Ginásio de Esportes." (3)
Uma das defesas apontadas por eles foi a possível "confusão", e outra ainda seria que Costa Cavalcanti "não apresentou motivo para retirada de seu nome", argumento amplamente refutado na própria publicação (Ed. 212). Precisamos refletir sobre quem era o homenageado, uma vez que o próprio inaugura em 1982 ginásio que leva seu nome, já na condição de 1º presidente da Itaipu, e com a presença de quem iria sucedê-lo, o também militar e então Governador do Paraná, Ney Braga.

De 1967 a 19744, Costa ganha o título tão bem exaltado em outro espaço de Foz do Iguaçu que curiosamente também presta homenagem ao "Ministro": Hospital MCC (ver www.hmcc.com.br). Ele assume o Ministério de Minas e Energias (67-69), depois o Ministério do Interior, saindo para tarefa pioneira na presidência da Binacional (74), e em dado período acumulando ainda o mesmo cargo em outra estatal, a Eletrobrás que presidiu desde 1980 até 1985, quando findaram ambas as gestões.

E 1985-1990 foi o tempo de Ney na Binacional, onde se aposenta. Após este período um verde-oliva só voltaria presidir, com o atual mandatário General de Exército Joaquim Silva e Luna, ano passado.

Me pareceria extremamente coerente manter "Hospital Ministro Costa Cavalcanti", e (re)colocar no Ginásio a imagem de um atleta que fez seu nome no Boxe Sulamericano, mas também figurou pelo Futebol, organizando treinamentos entre jovens e fazendo do Flamenguinho uma verdadeira onda entre a mocidade iguaçuense dos "anos 50", afinal, aliados nesta ideia estavam importantes famílias como os "Basso" e "Dotto". 
É fácil notar nas redes sociais como Kid Chocolate se faz lembrado com referência, ele é praticamente uma unanimidade entre o meio esportivo e se destaca como uma importante memória negra da cidade, uma vez que já denunciamos aqui também o embranquecimento, Paranismo e afinal, temos até legislações que nos obrigam a falar da história da África, afrodescendentes e indígenas no Brasil (Leis 10.639/03 e 11.645/08), então demanda do movimento negro que força todos nós a agir para alcançarmos necessárias rupturas, frente uma narrativa eurocentrada e elitista que elege os "grandes homens" da pátria, não cabendo nela mulheres, negros, as etnias que já se encontravam na dita América Latina invadida em 1492 (inúmeras dizimadas), e que são fundamentais no processo de construção da identidade nacional.

Qual a saída que tenho proposto? Construir dois complexos esportivos e o Memorial do Esporte em um terceiro, que seria erguido no futebolístico "Bairro do Morumbi", ali naquela área ociosa que só tem o gigante Ginásio Ronaldo Schmidel Nunes (2000), onde ficaram as promessas de "quadra de vôlei de praia", e pista de skate (esta última tem ruínas da obra abandonada), junto do palco de tantas glórias do Futsal vitorioso da fronteira, que segue sendo motivo para o iguaçuense sentir em um esporte coletivo, a grandeza de sua própria gente. 
Ali então teríamos ainda pista de caminhada, academia ao ar livre, arvorismo, slackline, mesas com tabuleiros em azulejo, e o que mais couber no gosto da comunidade, inaceitável é o descaso continuar, tanto com a memória esportiva iguaçuense, quanto aos espaços para prática de atividade física regular em uma cidade que segundo o Plano Diretor de Desenvolvimento Integral Sustentável (2016)5 possui 6 ginásios públicos, sem contar estas estruturas atreladas as instituições educativas e centros de convivência, que precisam inclusive copiar a região vizinha de Misiones-ARG, onde se abrem as escolas nos finais de semana, principalmente para aproveitamento comunitário do aparato desportivo já em déficit.

Ah, só para ressaltar que o único Ginásio construído integralmente pela atual gestão da prefeitura (ela mesmo só doou o projeto arquitetônico), e com parcerias de outros órgãos públicos, foi o da Guarda Mirim, que homenageia outro símbolo da cidade do período ditatorial, o ex-Prefeito Clóvis Cunha Vianna, em obra entregue ano passado e que fora iniciada em 2009, é mole? 
Melhor deixarmos para lá a história do tempo presente e exaltar os bons tempos em que chegavam por aqui jogadores de futebol, e ao se mudarem para cidade até recebimento com flores aconteceu, como no caso de outro ilustre marinheiro que igualmente de farda branca e pele negra, aporta em Foz assim como Kid, mas levando no codinome a função na Marinha do Brasil: "Marujo" Argemiro dos Santos6.
Confesso que quando conheci a trajetória do boxeador e futebolista carioca fiquei fascinado, aí tu imagina quando cruzei tal memória com este outro jovem que também sai do Rio, mas a última trata-se de uma história que até em Documentários7saiu, e vem futuramente aqui também. A magia de romper fronteiras, as da memória para o caso de Campana que ainda menino já notava com seu próprio exemplo tal grandiosidade do campeoníssimo Antônio Gonçalves, que aparece com Fabio e outros meninos na épica foto abaixo.

Acervo: Guatá

Para finalizar, reforço a ideia de que maior valorização seria mesmo potencializar dois elos que já se constroem, pois um dos legados que Kid Chocolate deixa com seus amigos do Flamengo iguaçuense, é o belo Estádio Pedro Basso, que recentemente abrigava o time feminino de futebol profissional Foz Cataratas, e foi CT da Coréia do Sul para Copa do Mundo de 2014, e quando reformado teve o antigo gramado colocado no meio do bairro Cidade Nova, local que já possui ainda um parquinho infantil e academia ao ar livre que precisam reparos, além de um galpão que pode ser revitalizado, dando nova vida ao local e fazendo daquele "campinho", um palco bem cuidado para que essa história ganhe outras páginas, e possam surgir outros brilhantes jogadores, mas no limite uma molecada ocupada com esporte, disciplina e espírito de coletividade.

Outro complexo homenagearia o "Marujo" Argemiro dos Santos, e o defendo que seja levantado no Bubas, a maior ocupação do Paraná que será transformada em um imenso bairro, após vitórias judiciais conquistadas com grande esforço da comunidade e especial alicerce da Escola Popular de Planejamento da Cidade (EPPC). Como as mazelas sociais nesse município são enormes, um espaço que faça jus ao ex-jogador tri campeão pelo ABC, teria de mesclar atividades esportivas com outras artes de movimentar o corpo, pois além de boleiro, ex-combatente da II Guerra Mundial, era músico e resgatou outro artista das águas, do que tenho chamado de universo do marinheirado, dos pescadores, navegantes:

(Ilustração: cena do filme Menino 23)
Extraído de www.gdia.com.br

O Marujo segundo Rogério Romano Bonato, "ajudou a reconstituir, com justiça, a figura do pintor primitivista e marinheiro Antônio Cabral de Mendonça." (4)

Ufa, quase nos faltou fôlego para o último sopro no trompete, mas finalizaremos conforme iniciamos, agora com auxílio de Hamilton Luiz Machado Nunes que jogou no Flamengo Esporte Clube voltamos ao histórico de Kid Chocolate, que segundo o "Mito", como também é conhecido Hamilton: "se confunde com a história do Flamengo e do futebol amador de nossa cidade", continue lendo em: https://www.h2foz.com.br/noticia/um-pouco-da-historia-do-futebol-em-foz-13893

Antes mesmo de encerrar (agora é fato, acredite), parabéns ao Mito que completa neste 20 de Outubro mais um dia de vida, siga sendo a memória viva futebolística que volte e meia nos presenteia com seus testemunhos magníficos a cerca desta temática que tanto envolve este iniciante colunista.
Como todo bom desfecho que envolve trajetórias ficam perguntas em aberto, e uma delas o então Presidente do Flamenguinho em 2014 (5), Sérgio Beltrame tenta responder quanto a morte de Antônio Gonçalves em 2006, quando então, o memorável Kid teria falecido "sozinho" em um quarto abaixo das arquibancadas do Pedro Basso, mas nós recebemos contestação quanto à essa versão, por fonte que assegura posição contrária ao relato, nos fazendo seguir na busca por outros pingos nos ís.
Indiscutível é o papel basilar destes homens aqui citados na construção de processos duradouros e que seguem em curso, seja através de motivações pessoais, ou entidades enraizadas na cidade que faz fronteira com a Argentina, e reabriu após sete metes a Ponte de Amizade que nos liga com o Paraguay. 

Obs.: a autocrítica não nos me permitiria deixar de ressaltar que precisamos rebater o machismo, afinal, sigo neste desafio de equilibrar as publicações e na Série "Políticas e Políticos do Paraná", que estreia amanhã (21) na Página do Facebook Memórias Paranaenses, traremos feitos femininos que ajudaram a transformar essa terra de onde escrevo. Até lá!

*Rafael Clabonde há alguns anos tem pesquisado a cerca da trajetória do marinheiro, boxeador e incentivador do esporte em Foz do Iguaçu-PR, Antônio Gonçalves, mais conhecido por Kid Chocolate, apelido que faz alusão ao cubano Eligio Sardiñas Montalvo, atleta da década de 1930 que ganhou fama mundial pelos feitos nos ringues. O projeto "Kid Chocolate" segue em curso, caso interesse saber mais: projetokidchocolate@gmail.com

 

Fontes:
(1) https://catracalivre.com.br/educacao/no-parana-alunos-mudam-nome-de-escola-que-homenageava-ditador/

(2) https://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2015/06/03/ruas-de-foz-do-iguacu-farao-tributo-a-liberdade-aos-direitos-humanos-e-valores-democraticos/

(3) https://www.nossotempodigital.com.br/arquivo/nosso_tempo_212/nosso_tempo_212.pdf

(4) https://www.h2foz.com.br/planeta-foz/um-singelo-adeus-ao-marujo

(5) https://www.h2foz.com.br/noticia/estadio-pedro-basso-pronto-para-viver-a-copa-do-mundo-33794

Referências Bibliográficas:

¹segundo Perci Lima em "Foz do Iguaçu e sua História" (2001), se trata do "(...) time do 54 Boxing Club, fundado em 1954, pelo boxeador Antonio Gonçalves, o popular Kid Chocolate, um dos maiores nomes do nosso esporte, era uma academia de boxe, clube social e time de futebol, por isto o nome, funcionava na Rua Santos Dumont (...)". Variadas fontes apontam para o nome que decidimos utilizar, inclusive a foto de capa seria da inauguração*

³ARANHA, Renato Muchiuti. Um olhar para a mídia regional durante a ditadura em Foz do Iguacu (1980-84). In: Simpósio Nacional de História, XXVIII, 2015, Florianópolis-SC. Anais. Florianópolis: ANPUH, 2015. p. 5

Referências Online:

²https://www.revistaideias.com.br/2020/08/10/viagem-nas-fronteiras-da-memoria/

4https://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/jose-costa-cavalcanti

5https://www.cmfi.pr.gov.br/pdf/projetos/2565_3.pdf

6 https://guata.com.br/argemiro-dos-santos-o-marujo/

7https://www.h2foz.com.br/noticia/video-a-fuga-do-seu-argemiro-o-marujo-de-foz-do-iguacu-30775

"Menino 23 Infâncias Perdidas do Brasil" (2016) - https://www.youtube.com/watch?v=rYSspBodYSQ

Fonte/Créditos: Acervo José Gilberto Maciel

Comentários: