Portal NFL

MENU
Logo
Domingo, 18 de abril de 2021
Publicidade
Publicidade

Coluna

Carta aberta ao presidente do Conselho Diocesano de Leigos da Diocese de Foz do Iguaçu.

Conto com teu desengajamento da campanha dos que, equivocamente, insistem em confundir a população

97
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Colinas do Tocantins, 26 de março de 2021.

Gilberto, meu Irmão caríssimo:

Pax Domini Tecum.

Sou solidário à tua preocupação com o sustento das pessoas e famílias, especialmente dos que (há gerações!) encontram obstáculos estruturais no acesso ao sistema social de oportunidades.

E essa preocupação especial (mas não exclusiva), como sabemos eu e tu, arrima-se no conjunto da Revelação lavrada na Mikrah (Escrituras): trata-se de ocupar-se prioritariamente (mas não exclusivamente) com os ‘Anawîm (os Pobres: Sf 2, 3); e, como sabemos eu e tu, é justamente o empenho prioritário (repito: mas não exclusivo) no atendimento às privações dos socialmente menos favorecidos, que separa os Cabritos das Ovelhas – isto é, distingue entre os que ressuscitarão para a Vida e os que ressuscitarão para a Condenação (Mt 25, 34-40; 41-46).

Portanto, como vejo em ti, não apenas uma pessoa de boa-vontade, senão também um cristão – ou seja, um irmão no seguimento de HaRabbuni, o único a quem eu e tu devemos chamar de Mestre e Senhor (Jo 13, 13) –, exorto-te a não mais militar na disseminação da ideia de que a sociedade, como um todo, e os ‘Anawîm, em particular – devem optar entre sair às ruas para trabalhar ou ficar em casa para prevenir-se.

Convido-te, ao contrário, a participar de uma campanha, penso eu, mais de acordo com nossa orientação espiritual, cujas diretrizes teológico-pastorais se alicerçam na defesa incondicional da Vida. Lutemos, meu irmão, porque os poderes constitucionalmente instituídos garantam a sobrevivência dos trabalhadores e o estímulo aos empresários por meio de um programa emergencial de distribuição de renda e de facilitação de crédito.

Não para sempre, eu e tu sabemos: apenas durante o tempo necessário para, desmobilizando a circulação de pessoas, desacelerar o ritmo de disseminação do SARS-COV2 – ritmo esse, eu e tu sabemos, que já chegou às raias do absurdo; não tardaremos a empilhar (provavelmente daqui sessenta, noventa dias) meio milhão de cadáveres.

Claro está que a eficiência nas medidas de restrição a aglomerações (as quais, dado o atual nível de descontrole na propagação do vírus, talvez exijam até a adoção de um lockdown nacional: quatro semanas, no máximo, desde que feito segundo os devidos paramentos técnico-científicos) – só logra o necessário êxito se acompanhada de outras ações (igualmente respaldadas em orientações técnico-cientificas):

  1. Testagem em massa: Para superarmos o absurdo logístico da subnotificação de casos;
  2. Monitoramento genômico: Para tomarmos pé da evolução biológica do vírus, isto é, do surgimento, ou não, de variantes;
  3. Vacinação emergencial e de amplo alcance demográfico: Para efetivamente debelarmos a proliferação de infecções;
  4. Combate tecnológico e jurídico à disseminação, nas redes sociais, de mentiras e superstições acerca do tratamento precoce (que não existe: saiba-se de uma vez por todos): Para não mais expormos vidas ao perigo das reações adversas na ingestão de medicamentos que nada mais fazem senão induzir pessoas ao risco de contagiar-se e disseminar o patógeno.

E, para que tudo isso ocorra a contento, faz-se necessário a instauração de uma Comissão nacional com amplos poderes (todos, claro, constitucionalmente embasados). E essa, meu Irmão, deve ser, penso, a mais importante militância neste momento – porque a única, no atual cenário político de atrasos, mancadas e omissões, que me parece capaz de levar a termo a superação (pela implementação das ações apontadas acima) desta que é, pura e simplesmente – a maior crise humanitária da história do Brasil. Simples assim.

Reconhecendo em ti uma pessoa, não só sensata, porém sim dedicada à superação de graves problemas sociais – e tua luta pela preservação da Vida no trânsito dispensa qualquer outra evidência do que afirmo aqui –, conto com teu desengajamento da campanha dos que, equivocamente, insistem em confundir a população, persuadindo-a a crer que, ou saem às ruas para trabalhar, ou ficam em casa para proteger-se – e com teu alistamento na defesa efetiva da Vida: lutemos juntos, e temos o Conselho Diocesano de Leigos da Diocese de Foz do Iguaçu como uma instância favorável para tocarmos uma ação efetiva neste sentido – pela instituição constitucional de uma Comissão nacional que assuma a gestão político-administrativa do atual descalabro humanitários que acomete nosso país.

Agradeço-te a gentileza da atenção. Transmite um caloroso abraço à Lucilene e às crianças.

Despeço-me de ti em Paz e Fraternidade, como deve ser, entre nós, sempre (Jo 15, 12): sente como se trocássemos o ósculo santo (II Co 13, 12).

 

Shalom Aleichem.

 

Atenciosamente,

Marco Roberto de Souza Albuquerque.

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade