A nova era da informação!

Ricardo Barros foi sócio de terreno que vale 30 vezes mais que seu patrimônio

Reportagem do jornal “Folha de S. Paulo” apurou que em 2014, o ministro adquiriu área de 1,3 milhão de metros quadrados na região
Ricardo Barros foi sócio de terreno que vale 30 vezes mais que seu patrimônio
42

Ricardo Barros foi sócio de terreno que vale 30 vezes mais que seu patrimônio

Reportagem do jornal “Folha de S. Paulo” apurou que em 2014, o ministro adquiriu área de 1,3 milhão de metros quadrados na região de Maringá

Apesar de ter declarado um patrimônio de R$ 1,8 milhão, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), comprou, em 2014, metade de um terreno que vale R$ 56 milhões. A propriedade é localizada em Marialva, cidade a poucos quilômetros de Maringá, base eleitoral de Barros. Os documentos e as informações foram obtidos e publicados nesta sexta-feira (10) pelo repórter Rubens Valente, do jornal Folha de S. Paulo.

No ano da compra do terreno, Barros foi candidato à Câmara Federal. Já eleito deputado, ele apoiou, por meio de um requerimento, uma emenda ao Orçamento Federal que destinava R$ 450 milhões da União para o Contorno Sul Metropolitano, uma rodovia de 32 quilômetros que passa a três quilômetros do terreno de 1,3 milhão de metros quadrados, onde está prevista a construção de um condomínio de alto padrão.

A emenda orçamentária foi originalmente apresentada pela bancada do Paraná – que na época incluía a hoje vice-governadora Cida Borghetti (PP), mulher de Barros, que em 2014 declarou patrimônio de R$ 805 mil.

Gazeta do Povo entrou em contato com o ministro, que não atendeu à reportagem. À Folha de S.Paulo ele disse que conseguiu comprar a cota da propriedade usando um empréstimo de R$ 13 milhões concedido pela empresa Paysage, sócia dele na aquisição.

Para efetuar a compra, Barros usou duas empresas que dividia (e posteriormente foram vendidas, assim como a parte dele no terreno) com Cida Borghetti; a MRC e a RC7, ambas com capital social que era equivalente a R$ 10 mil cada.

Sediada no escritório político do ministro, em Maringá, a MRC foi constituída 20 dias antes da divulgação do estudo de impacto ambiental da rodovia por parte da prefeitura.

“A obra do contorno Sul de Maringá é fruto de um convênio entre a prefeitura municipal de Maringá e o Dnit [Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte] firmado em 2011, três anos antes da compra do terreno. Ou seja, no período da compra, a eventual valorização do terreno já teria ocorrido”, afirmou Barros à Folha.

Segundo a reportagem, desde 2016, Barros e Cida já não figuram mais como proprietários do terreno, mas, sim, como fiadores. Segundo explicação do ministro ao jornal, ele vendeu à Paysage suas duas empresas, o que levou à “quitação” do empréstimo de R$ 13 milhões.

“Em 3 de dezembro de 2015, a totalidade das quotas das empresas MCR e RC2 –RB01 foram transferidas à Paysage, em troca da quitação do empréstimo. A Paysage assumiu também os compromissos financeiros correspondentes à MRC e RC2 –RB 01”, disse a assessoria do ministro à Folha.

Resposta do Ministério

Em nota, o Ministério da Saúde afirma que a reportagem da Folha de S. Paulo induz os leitores ao erro. Segundo o texto, “toda a documentação e transações respectivas à aquisição de um lote de terras na região de Marialva, Paraná, estão declaradas e impostos pagos”.

Sobre a emenda parlamentar apresentada, a pasta afirma que o apoio se deu pela importância da obra viária para a região. “Vale destacar que a obra do contorno Sul sequer foi realizada até o momento. Ainda, por anos seguidos, a bancada destinou recursos para a região”, diz a nota.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

OUVIR NOTÍCIA

Reportagem do jornal “Folha de S. Paulo” apurou que em 2014, o ministro adquiriu área de 1,3 milhão de metros quadrados na região de Maringá

Apesar de ter declarado um patrimônio de R$ 1,8 milhão, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), comprou, em 2014, metade de um terreno que vale R$ 56 milhões. A propriedade é localizada em Marialva, cidade a poucos quilômetros de Maringá, base eleitoral de Barros. Os documentos e as informações foram obtidos e publicados nesta sexta-feira (10) pelo repórter Rubens Valente, do jornal Folha de S. Paulo.

No ano da compra do terreno, Barros foi candidato à Câmara Federal. Já eleito deputado, ele apoiou, por meio de um requerimento, uma emenda ao Orçamento Federal que destinava R$ 450 milhões da União para o Contorno Sul Metropolitano, uma rodovia de 32 quilômetros que passa a três quilômetros do terreno de 1,3 milhão de metros quadrados, onde está prevista a construção de um condomínio de alto padrão.

A emenda orçamentária foi originalmente apresentada pela bancada do Paraná – que na época incluía a hoje vice-governadora Cida Borghetti (PP), mulher de Barros, que em 2014 declarou patrimônio de R$ 805 mil.

Gazeta do Povo entrou em contato com o ministro, que não atendeu à reportagem. À Folha de S.Paulo ele disse que conseguiu comprar a cota da propriedade usando um empréstimo de R$ 13 milhões concedido pela empresa Paysage, sócia dele na aquisição.

Para efetuar a compra, Barros usou duas empresas que dividia (e posteriormente foram vendidas, assim como a parte dele no terreno) com Cida Borghetti; a MRC e a RC7, ambas com capital social que era equivalente a R$ 10 mil cada.

Sediada no escritório político do ministro, em Maringá, a MRC foi constituída 20 dias antes da divulgação do estudo de impacto ambiental da rodovia por parte da prefeitura.

“A obra do contorno Sul de Maringá é fruto de um convênio entre a prefeitura municipal de Maringá e o Dnit [Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte] firmado em 2011, três anos antes da compra do terreno. Ou seja, no período da compra, a eventual valorização do terreno já teria ocorrido”, afirmou Barros à Folha.

Segundo a reportagem, desde 2016, Barros e Cida já não figuram mais como proprietários do terreno, mas, sim, como fiadores. Segundo explicação do ministro ao jornal, ele vendeu à Paysage suas duas empresas, o que levou à “quitação” do empréstimo de R$ 13 milhões.

“Em 3 de dezembro de 2015, a totalidade das quotas das empresas MCR e RC2 –RB01 foram transferidas à Paysage, em troca da quitação do empréstimo. A Paysage assumiu também os compromissos financeiros correspondentes à MRC e RC2 –RB 01”, disse a assessoria do ministro à Folha.

Resposta do Ministério

Em nota, o Ministério da Saúde afirma que a reportagem da Folha de S. Paulo induz os leitores ao erro. Segundo o texto, “toda a documentação e transações respectivas à aquisição de um lote de terras na região de Marialva, Paraná, estão declaradas e impostos pagos”.

Sobre a emenda parlamentar apresentada, a pasta afirma que o apoio se deu pela importância da obra viária para a região. “Vale destacar que a obra do contorno Sul sequer foi realizada até o momento. Ainda, por anos seguidos, a bancada destinou recursos para a região”, diz a nota.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Sociedade
Águia de Ouro afronta bolsonarismo e homenageia Paulo Freire no Carnaval de São Paulo - Veja...
Águia de Ouro afronta bolsonarismo e homenageia Paulo Freire no Carnaval de São Paulo - Veja o Desfile completo!
VISUALIZAR
Economia
Banco do Brasil fecha 409 agências e reduz quadro em 3,7 mil funcionários
Banco do Brasil fecha 409 agências e reduz quadro em 3,7 mil funcionários
VISUALIZAR
Sociedade
“Não existe ‘messias’ de arma na mão”, diz o samba da Mangueira
“Não existe ‘messias’ de arma na mão”, diz o samba da Mangueira
VISUALIZAR
Economia
Enquanto Guedes mostra todo seu preconceito, a economia afunda
Enquanto Guedes mostra todo seu preconceito, a economia afunda
VISUALIZAR
Política
Itaú, Bradesco e Santander fecham agências e enxugam quadro em 6,923 mil pessoas
Itaú, Bradesco e Santander fecham agências e enxugam quadro em 6,923 mil pessoas
VISUALIZAR
Política
TSE rejeitou 11 mil adesões a sigla de Bolsonaro. 3 mil passaram
TSE rejeitou 11 mil adesões a sigla de Bolsonaro. 3 mil passaram
VISUALIZAR