A nova era da informação!

Em Alta

Quais são os países que cobram mais impostos? E os que cobram menos?

Descubra qual é o imposto de renda mais caro do mundo e conheça lugares onde ele não é cobrado
Quais são os países que cobram mais impostos? E os que cobram menos?
19

Quais são os países que cobram mais impostos? E os que cobram menos?

Descubra qual é o imposto de renda mais caro do mundo e conheça lugares onde ele não é cobrado

Em época de entrega das declarações do Imposto de Renda é comum ouvir que o Brasil tem a maior carga de impostos do mundo. Mas será que isso é mesmo verdade? Depende da faixa de renda, diz um relatório da consultoria KPMG.

Quem ganha até US$ 100 mil por ano pode dizer que o Brasil tem altos impostos. Estamos em 16º lugar no mundo, à frente da Áustria, Finlândia e Suécia. Essa conta inclui os 27,5% de imposto de renda somado aos 11% pagos em seguridade social ao INSS.

Para os mais ricos, com renda de até US$ 300 mil ao ano, a carga diminui e ficamos na 28ª posição. Países como Zimbábue, Peru e Equador cobram mais impostos dessa faixa de renda. Em relação à América do Sul, nossos impostos são baixos: apenas o Uruguai cobra menos taxas de seus cidadãos. O Chile é o recordista, com até 40% de cobrança sobre a renda.

Qual é o imposto de renda mais caro do mundo?

A Suécia é o país aonde a alíquota máxima do imposto de renda (IR) para pessoa física é a mais alta do mundo. Os suecos que ganham bem entregam para o governo até 58,2% dos seus rendimentos. Mas isso não quer dizer que nós não temos o direito de reclamar do que pagamos de IR. É que os brasileiros contribuem excessivamente com outros tipos de impostos.

“Há três bases para tributação: renda, patrimônio e consumo”, afirma o ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel. O que deixamos de pagar sobre nossa renda pagamos sobre nosso patrimônio e, sobretudo, nosso consumo. A maioria das pessoas nem se dá conta disso, mas há impostos nos preços de todos os produtos que são comprados. São impostos cobrados das empresas e embutidos por elas em seus preços.

Por isso, a carga tributária total do Brasil já está entre as mais altas do mundo, no mesmo patamar de países como Alemanha e Canadá, onde o retorno para a população dos impostos pagos – por meio de investimentos em educação e saúde, por exemplo – é bem maior.

Os 10 países com maiores impostos e menor retorno para a população

Um estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) mostra que, dentre 30 países pesquisados, o Brasil é que oferece o pior retorno em benefícios à população dos valores arrecadados por meio dos impostos.

O levantamento avaliou os países com as maiores cargas tributários do mundo, relacionando estes dados ao Produto Interno Bruto (PIB) e ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de cada nação. O resultado é expresso no Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade (IRBES).

No Brasil, a carga tributária equivale a 35,13% do PIB. Em 2011, o IRBES do país foi de 135,83 pontos, o pior resultado no grupo de 30 economias pesquisadas. Itália, Bélgica e Hungria vêm em seguida no ranking.

Nações como Grécia, Uruguai e Argentina estão bem à frente do Brasil no que se refere ao retorno à população dos impostos arrecadados. O melhor resultado é o da Austrália, que tem uma carga tributária de 25,90% do PIB, com um índice de retorno de 164,18 pontos.

Países como Dinamarca, Noruega e Finlândia, conhecidos por oferecer serviços de alta qualidade a suas populações, entram na lista dos piores retornos por causa da elevada carga tributária. “O que puxa o índice é a carga de impostos. Dinamarca e Suécia arrecadam muito e, mesmo assim, não estão entre os primeiros quando se trata do IDH”, explica João Eloi Olenike, presidente do IBPT.

A Austrália tem uma carga tributária de 25,90% do PIB, quase metade da dinamarquesa (44,06% do PIB). O IDH australiano, entretanto, é de 0,929, enquanto que o da Dinamarca é de 0,895. “Países que oferecem melhores retornos à população, como no caso da Austrália, conseguem manter um IDH elevado com menos recursos do que, por exemplo, a Dinamarca e a Noruega”, diz Olenike.

País Carga Tributária (% PIB) IDH IRBES
Brasil 35,13% 0,718 135,83
Itália 43,00% 0,874 139,84
Bélgica 43,80% 0,886 139,94
Hungria 38,25% 0,816 140,37
França 43,15% 0,884 140,52
Dinamarca 44,06% 0,895 140,41
Suécia 44,08% 0,904 141,15
Finlândia 42,10% 0,882 141,56
Áustria 42,00% 0,885 141,93
Noruega 42,80% 0,943 145,94

Os países onde se paga menos impostos

Andorra

Esse pequeno país situado entre o nordeste da Espanha e o sudoeste da França atrai muitos imigrantes (principalmente europeus) não apenas pelas boas condições de vida e trabalho, mas principalmente pelo fato de lá não haver impostos. Isso mesmo, os habitantes de lá não pagam um único centavo para o governo, apenas uma contribuição que gira em torno de 5% a 9% do que o trabalhador ganha e que vai para a segurança social (uma espécie de FGTS).

Brunei

Do tamanho do Distrito Federal, o país fica no sudoeste da Ásia. Educação, saúde, moradia: é tudo de graça. E ninguém no país sabe o que é imposto de renda. O dinheiro do petróleo trouxe independência econômica e cobriu de ouro o país. Com tanto petróleo, o sultão de Brunei passou a ser o governante mais rico do mundo. 30% da população trabalham para o governo.

Emirados Árabes Unidos

Graças às receitas do petróleo, os Emirados Árabes Unidos (EAU) não taxam os rendimentos dos seus cidadãos nacionais, apesar de 5% do seu rendimento ter como destino a segurança social, segundo este artigo da CNBC. As companhias petrolíferas pagam até 55% de impostos corporativos. Além disso, existe uma taxa de até 30% sobre bebidas alcoólicas que sobe para 50% no Dubai.

Bahamas

Bastante dependente do turismo e dos investimentos ‘offshore’, 70% das receitas do Estado vêm dos impostos que recaem sobre os bens importados. Apesar de não existir impostos sobre os rendimentos, os trabalhadores são obrigados a descontar cerca de 3,9% do seu salário para a segurança social.

Ilhas Caimão

Graças aos filmes de Hollywood, estas ilhas são provavelmente o “paraíso fiscal” mais conhecido. Além de não ter que pagar nenhum imposto sobre os rendimentos, se a pessoa pensar em abrir uma empresa nesta região, também não terá que pagar imposto por ganhos de capital ou contribuições para a segurança social. No entanto, enquanto empregador é obrigado a dar aos seus trabalhadores uma pensão de reforma.

Qatar

Além das Caraíbas, é no Médio Oriente que encontramos países onde se pagam poucos ou nenhuns impostos. As receitas do Qatar provêm sobretudo da produção e exportação de gás e petróleo. Os negócios envolvidos neste setor estão sujeitos num imposto de até 35% nas suas operações. Apesar disso, não existem impostos sobre os rendimentos ou sobre ganhos de capital. No entanto, os cidadãos nacionais do Qatar têm que descontar todos os meses até 5% do seu rendimento para a Segurança Social, segundo refere a CNBC.

Kuwait

O Kuwait é mais um país do Médio Oriente que vive à base das receitas do petróleo. Por isso mesmo, não cobra qualquer tipo de imposto sobre o rendimento. No entanto, os cidadãos nacionais são obrigados a descontar cerca de 7,5% do seu salário para a Segurança Social.

Arábia Saudita

Na Arábia Saudita não paga qualquer tipo de imposto sobre o seu rendimento, graças às receitas que o país tem com o petróleo e a sua exportação. No entanto, as contribuições para a Segurança Social podem chegar aos 9% por trabalhador. Lembre-se que de momento existe uma taxa por cada trabalhador estrangeiro contratado, isto é: Se uma empresa na Arábia tiver na sua maioria trabalhadores estrangeiros a trabalhar para ela, pode pagar até 640 dólares por cada trabalhador estrangeiro em excesso.

Bahrein

Através da partilha do campo petrolífero de Abu Safa com a Arábia Saudita, o Bahrein garante 70% das suas receitas orçamentais. Por isso mesmo, os seus cidadãos apenas pagam um taxa de 7% do seu rendimento para benefícios de segurança social. Além do petróleo, o Bahrein mantém a sua riqueza através da produção de hidrocarbonetos que representam 88% das suas receitas.

Bermudas

Se você pensa em mudar-se para uma ilha paradisíaca e não pagar qualquer tipo de imposto sobre o rendimento, saiba que as Bermudas têm um custo de vida bastante elevado. Além disso, terá que descontar cerca de 30 dólares por semana para a segurança social.

Oman

Tal como os restantes dos países do Médio Oriente, o Oman também retira uma grande percentagem das suas receitas da venda de petróleo bruto. Apesar de não existir qualquer tipo de imposto sobre o rendimento individual, os cidadãos têm que descontar cerca de 6,5% do seu salário para o sistema de segurança social.

 

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

OUVIR NOTÍCIA

Descubra qual é o imposto de renda mais caro do mundo e conheça lugares onde ele não é cobrado

Em época de entrega das declarações do Imposto de Renda é comum ouvir que o Brasil tem a maior carga de impostos do mundo. Mas será que isso é mesmo verdade? Depende da faixa de renda, diz um relatório da consultoria KPMG.

Quem ganha até US$ 100 mil por ano pode dizer que o Brasil tem altos impostos. Estamos em 16º lugar no mundo, à frente da Áustria, Finlândia e Suécia. Essa conta inclui os 27,5% de imposto de renda somado aos 11% pagos em seguridade social ao INSS.

Para os mais ricos, com renda de até US$ 300 mil ao ano, a carga diminui e ficamos na 28ª posição. Países como Zimbábue, Peru e Equador cobram mais impostos dessa faixa de renda. Em relação à América do Sul, nossos impostos são baixos: apenas o Uruguai cobra menos taxas de seus cidadãos. O Chile é o recordista, com até 40% de cobrança sobre a renda.

Qual é o imposto de renda mais caro do mundo?

A Suécia é o país aonde a alíquota máxima do imposto de renda (IR) para pessoa física é a mais alta do mundo. Os suecos que ganham bem entregam para o governo até 58,2% dos seus rendimentos. Mas isso não quer dizer que nós não temos o direito de reclamar do que pagamos de IR. É que os brasileiros contribuem excessivamente com outros tipos de impostos.

“Há três bases para tributação: renda, patrimônio e consumo”, afirma o ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel. O que deixamos de pagar sobre nossa renda pagamos sobre nosso patrimônio e, sobretudo, nosso consumo. A maioria das pessoas nem se dá conta disso, mas há impostos nos preços de todos os produtos que são comprados. São impostos cobrados das empresas e embutidos por elas em seus preços.

Por isso, a carga tributária total do Brasil já está entre as mais altas do mundo, no mesmo patamar de países como Alemanha e Canadá, onde o retorno para a população dos impostos pagos – por meio de investimentos em educação e saúde, por exemplo – é bem maior.

Os 10 países com maiores impostos e menor retorno para a população

Um estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) mostra que, dentre 30 países pesquisados, o Brasil é que oferece o pior retorno em benefícios à população dos valores arrecadados por meio dos impostos.

O levantamento avaliou os países com as maiores cargas tributários do mundo, relacionando estes dados ao Produto Interno Bruto (PIB) e ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de cada nação. O resultado é expresso no Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade (IRBES).

No Brasil, a carga tributária equivale a 35,13% do PIB. Em 2011, o IRBES do país foi de 135,83 pontos, o pior resultado no grupo de 30 economias pesquisadas. Itália, Bélgica e Hungria vêm em seguida no ranking.

Nações como Grécia, Uruguai e Argentina estão bem à frente do Brasil no que se refere ao retorno à população dos impostos arrecadados. O melhor resultado é o da Austrália, que tem uma carga tributária de 25,90% do PIB, com um índice de retorno de 164,18 pontos.

Países como Dinamarca, Noruega e Finlândia, conhecidos por oferecer serviços de alta qualidade a suas populações, entram na lista dos piores retornos por causa da elevada carga tributária. “O que puxa o índice é a carga de impostos. Dinamarca e Suécia arrecadam muito e, mesmo assim, não estão entre os primeiros quando se trata do IDH”, explica João Eloi Olenike, presidente do IBPT.

A Austrália tem uma carga tributária de 25,90% do PIB, quase metade da dinamarquesa (44,06% do PIB). O IDH australiano, entretanto, é de 0,929, enquanto que o da Dinamarca é de 0,895. “Países que oferecem melhores retornos à população, como no caso da Austrália, conseguem manter um IDH elevado com menos recursos do que, por exemplo, a Dinamarca e a Noruega”, diz Olenike.

País Carga Tributária (% PIB) IDH IRBES
Brasil 35,13% 0,718 135,83
Itália 43,00% 0,874 139,84
Bélgica 43,80% 0,886 139,94
Hungria 38,25% 0,816 140,37
França 43,15% 0,884 140,52
Dinamarca 44,06% 0,895 140,41
Suécia 44,08% 0,904 141,15
Finlândia 42,10% 0,882 141,56
Áustria 42,00% 0,885 141,93
Noruega 42,80% 0,943 145,94

Os países onde se paga menos impostos

Andorra

Esse pequeno país situado entre o nordeste da Espanha e o sudoeste da França atrai muitos imigrantes (principalmente europeus) não apenas pelas boas condições de vida e trabalho, mas principalmente pelo fato de lá não haver impostos. Isso mesmo, os habitantes de lá não pagam um único centavo para o governo, apenas uma contribuição que gira em torno de 5% a 9% do que o trabalhador ganha e que vai para a segurança social (uma espécie de FGTS).

Brunei

Do tamanho do Distrito Federal, o país fica no sudoeste da Ásia. Educação, saúde, moradia: é tudo de graça. E ninguém no país sabe o que é imposto de renda. O dinheiro do petróleo trouxe independência econômica e cobriu de ouro o país. Com tanto petróleo, o sultão de Brunei passou a ser o governante mais rico do mundo. 30% da população trabalham para o governo.

Emirados Árabes Unidos

Graças às receitas do petróleo, os Emirados Árabes Unidos (EAU) não taxam os rendimentos dos seus cidadãos nacionais, apesar de 5% do seu rendimento ter como destino a segurança social, segundo este artigo da CNBC. As companhias petrolíferas pagam até 55% de impostos corporativos. Além disso, existe uma taxa de até 30% sobre bebidas alcoólicas que sobe para 50% no Dubai.

Bahamas

Bastante dependente do turismo e dos investimentos ‘offshore’, 70% das receitas do Estado vêm dos impostos que recaem sobre os bens importados. Apesar de não existir impostos sobre os rendimentos, os trabalhadores são obrigados a descontar cerca de 3,9% do seu salário para a segurança social.

Ilhas Caimão

Graças aos filmes de Hollywood, estas ilhas são provavelmente o “paraíso fiscal” mais conhecido. Além de não ter que pagar nenhum imposto sobre os rendimentos, se a pessoa pensar em abrir uma empresa nesta região, também não terá que pagar imposto por ganhos de capital ou contribuições para a segurança social. No entanto, enquanto empregador é obrigado a dar aos seus trabalhadores uma pensão de reforma.

Qatar

Além das Caraíbas, é no Médio Oriente que encontramos países onde se pagam poucos ou nenhuns impostos. As receitas do Qatar provêm sobretudo da produção e exportação de gás e petróleo. Os negócios envolvidos neste setor estão sujeitos num imposto de até 35% nas suas operações. Apesar disso, não existem impostos sobre os rendimentos ou sobre ganhos de capital. No entanto, os cidadãos nacionais do Qatar têm que descontar todos os meses até 5% do seu rendimento para a Segurança Social, segundo refere a CNBC.

Kuwait

O Kuwait é mais um país do Médio Oriente que vive à base das receitas do petróleo. Por isso mesmo, não cobra qualquer tipo de imposto sobre o rendimento. No entanto, os cidadãos nacionais são obrigados a descontar cerca de 7,5% do seu salário para a Segurança Social.

Arábia Saudita

Na Arábia Saudita não paga qualquer tipo de imposto sobre o seu rendimento, graças às receitas que o país tem com o petróleo e a sua exportação. No entanto, as contribuições para a Segurança Social podem chegar aos 9% por trabalhador. Lembre-se que de momento existe uma taxa por cada trabalhador estrangeiro contratado, isto é: Se uma empresa na Arábia tiver na sua maioria trabalhadores estrangeiros a trabalhar para ela, pode pagar até 640 dólares por cada trabalhador estrangeiro em excesso.

Bahrein

Através da partilha do campo petrolífero de Abu Safa com a Arábia Saudita, o Bahrein garante 70% das suas receitas orçamentais. Por isso mesmo, os seus cidadãos apenas pagam um taxa de 7% do seu rendimento para benefícios de segurança social. Além do petróleo, o Bahrein mantém a sua riqueza através da produção de hidrocarbonetos que representam 88% das suas receitas.

Bermudas

Se você pensa em mudar-se para uma ilha paradisíaca e não pagar qualquer tipo de imposto sobre o rendimento, saiba que as Bermudas têm um custo de vida bastante elevado. Além disso, terá que descontar cerca de 30 dólares por semana para a segurança social.

Oman

Tal como os restantes dos países do Médio Oriente, o Oman também retira uma grande percentagem das suas receitas da venda de petróleo bruto. Apesar de não existir qualquer tipo de imposto sobre o rendimento individual, os cidadãos têm que descontar cerca de 6,5% do seu salário para o sistema de segurança social.

 

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Rolê na Fronteira
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do...
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
Sociedade
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
VISUALIZAR
Sociedade
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
América Latina
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
VISUALIZAR
América Latina
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
VISUALIZAR
Agenda de Eventos
2ª Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
2ª  Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )