A nova era da informação!

País não terá transformação rápida 'por vias democráticas', diz filho de Bolsonaro

Declaração do filho do presidente foi criticada por várias personalidades e políticos
País não terá transformação rápida 'por vias democráticas', diz filho de  Bolsonaro
17

País não terá transformação rápida 'por vias democráticas', diz filho de Bolsonaro

O vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro, usou o Twitter nesta segunda-feira, 9, para dizer que "a transformação que o Brasil quer" não acontecerá na velocidade almejada por "vias democráticas".

"Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer", escreveu Carlos. "Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes."

Na mesma sequência de mensagens, o vereador escreve que o governo federal vem "desfazendo absurdos" e tenta "recolocar nos eixos" o País. Ele reclama que os "avanços (são) ignorados e os malfeitores esquecidos".

A publicação foi seguida de outra mensagem, em que o filho do presidente diz que está "tranquilo" como o pai e que "o poder jamais me seduziu".

Depois da repercussão, o filho do presidente voltou ao Twitter para chamar a imprensa de "canalha".



Preocupação
No Palácio do Planalto, dois auxiliares do presidente disseram, sob a condição de anonimato, que o que Carlos fala não se escreve. Um ministro chegou a afirmar que a postagem do vereador "é uma maluquice".

Nos bastidores do governo, no entanto, há preocupação com interpretações que mensagens assim podem passar no momento em que Bolsonaro tenta recuperar popularidade. Mesmo interlocutores do presidente que tentaram amenizar o post de Carlos admitiram que as afirmações têm viés autoritário.

Oposição
O deputado Paulo Pimenta (PT) comparou a fala de Carlos a um trecho de entrevista concedida por Jair Bolsonaro ao programa Câmera Aberta em 1999 em que ele diz que fecharia o Congresso se fosse presidente e critica duramente o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), reeleito um ano antes.

Na entrevista de 1999 citada pelo deputado opositor, Bolsonaro havia dito que não acreditava em solução por meio da democracia. "Através do voto você não vai mudar nada nesse País", disse.

"Daria golpe no mesmo dia (se eleito presidente)! Não funciona! O Congresso hoje em dia não serve pra nada, só vota o que o presidente quer. Se ele é a pessoa que decide, que manda, que tripudia em cima do Congresso, dê logo o golpe, parte logo para a ditadura", disse o então deputado.

Mais reações
Presidente nacional do Podemos, a deputada federal Renata Abreu, afirmou que é "lamentável" a declaração de Carlos. "Como deputada federal não posso aceitar esse comentário em silêncio, seja do filho do presidente da República ou de qualquer outro cidadão". Nós do Podemos, defendemos sempre mais democracia, jamais menos", disse. "Este é o único caminho", respondeu a Carlos.

O ex-ministro da Fazenda e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT-CE) afirmou que "nós vamos ensinar a estes projetinhos de Hitler tropical que o Brasil não é uma fazenda deles e que a democracia é intocável". "Pilantra!", Ciro classificou o filho do presidente.

O escritor Paulo Coelho, que escreveu que "mesmo sabendo que o Twitter não muda nada, simplesmente não pode se calar" diante dos recentes acontecimentos, afirmou, compartilhando matéria sobre o tuíte de Carlos, que "Flávio não tem coragem, Eduardo faz questão de mostrar arma para enfermeiros e Carlos assusta todo mundo".

O deputado David Miranda (PSOL-SP), afirmou que não é tolerável que o filho do presidente, "parte dirigente atrapalhada do governo", dê esse tipo de declaração, e questionou: "o que ele está sugerindo com isso?". Na mesma linha, o candidato derrotado à Presidência do PSOL, Guilherme Boulos, afirmou que Carlos "expressa o chorume mais autoritário e doentio", e que ele pode "estar vocalizando um desejo de quem governa o País, por isso, deve ser enfrentado com firmeza".

O relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), escreveu que "não há caminho que não seja pela democracia" e que "insinuar qualquer opção que não seja pelas vias democráticas é brincar com o Estado de Direito, que por sinal, é democrático e elegeu o presidente". "Comentário infeliz e insensato do filho dele", classificou.

A declaração de Carlos encontra pouco apoio nas redes. O irmão do ministro da Educação e assessor especial da Presidência, Arthur Weintraub, citou o falecido primeiro-ministro britânico Winston Churchill, que disse que "a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais", para justificar a fala do filho do presidente. A deputada federal Carla Zambelli, do PSL de São Paulo, retuitou o post.

Mourão rebate
O presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou que as declarações do vereador são "problema dele". Em contraponto ao filho do presidente Jair Bolsonaro, Mourão defendeu que a democracia é "fundamental" e que é "lógico" que é possível fazer mudanças no País por meio do diálogo com o Congresso.

"Lógico, senão a gente não tinha sido eleito", disse Mourão ao ser questionado se é possível fazer as mudanças que o governo quer por vias democráticas. "Temos que negociar com a rapaziada do outro lado da Praça (dos Três Poderes). É assim que funciona. Com clareza, determinação e muita paciência", afirmou.

Mourão foi questionado sobre o assunto na entrada do Palácio do Planalto, onde continua despachando do gabinete da vice-presidência na ausência de Bolsonaro. Ele deve permanecer interinamente no cargo até quinta-feira, 12.

"(A democracia é) Fundamental, são pilares da civilização ocidental. Vou repetir para você: pacto de gerações, democracia, capitalismo e sociedade civil forte. Sem isso, a civilização ocidental não existe", declarou o vice aos jornalistas.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

OUVIR NOTÍCIA

O vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro, usou o Twitter nesta segunda-feira, 9, para dizer que "a transformação que o Brasil quer" não acontecerá na velocidade almejada por "vias democráticas".

"Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer", escreveu Carlos. "Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes."

Na mesma sequência de mensagens, o vereador escreve que o governo federal vem "desfazendo absurdos" e tenta "recolocar nos eixos" o País. Ele reclama que os "avanços (são) ignorados e os malfeitores esquecidos".

A publicação foi seguida de outra mensagem, em que o filho do presidente diz que está "tranquilo" como o pai e que "o poder jamais me seduziu".

Depois da repercussão, o filho do presidente voltou ao Twitter para chamar a imprensa de "canalha".



Preocupação
No Palácio do Planalto, dois auxiliares do presidente disseram, sob a condição de anonimato, que o que Carlos fala não se escreve. Um ministro chegou a afirmar que a postagem do vereador "é uma maluquice".

Nos bastidores do governo, no entanto, há preocupação com interpretações que mensagens assim podem passar no momento em que Bolsonaro tenta recuperar popularidade. Mesmo interlocutores do presidente que tentaram amenizar o post de Carlos admitiram que as afirmações têm viés autoritário.

Oposição
O deputado Paulo Pimenta (PT) comparou a fala de Carlos a um trecho de entrevista concedida por Jair Bolsonaro ao programa Câmera Aberta em 1999 em que ele diz que fecharia o Congresso se fosse presidente e critica duramente o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), reeleito um ano antes.

Na entrevista de 1999 citada pelo deputado opositor, Bolsonaro havia dito que não acreditava em solução por meio da democracia. "Através do voto você não vai mudar nada nesse País", disse.

"Daria golpe no mesmo dia (se eleito presidente)! Não funciona! O Congresso hoje em dia não serve pra nada, só vota o que o presidente quer. Se ele é a pessoa que decide, que manda, que tripudia em cima do Congresso, dê logo o golpe, parte logo para a ditadura", disse o então deputado.

Mais reações
Presidente nacional do Podemos, a deputada federal Renata Abreu, afirmou que é "lamentável" a declaração de Carlos. "Como deputada federal não posso aceitar esse comentário em silêncio, seja do filho do presidente da República ou de qualquer outro cidadão". Nós do Podemos, defendemos sempre mais democracia, jamais menos", disse. "Este é o único caminho", respondeu a Carlos.

O ex-ministro da Fazenda e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT-CE) afirmou que "nós vamos ensinar a estes projetinhos de Hitler tropical que o Brasil não é uma fazenda deles e que a democracia é intocável". "Pilantra!", Ciro classificou o filho do presidente.

O escritor Paulo Coelho, que escreveu que "mesmo sabendo que o Twitter não muda nada, simplesmente não pode se calar" diante dos recentes acontecimentos, afirmou, compartilhando matéria sobre o tuíte de Carlos, que "Flávio não tem coragem, Eduardo faz questão de mostrar arma para enfermeiros e Carlos assusta todo mundo".

O deputado David Miranda (PSOL-SP), afirmou que não é tolerável que o filho do presidente, "parte dirigente atrapalhada do governo", dê esse tipo de declaração, e questionou: "o que ele está sugerindo com isso?". Na mesma linha, o candidato derrotado à Presidência do PSOL, Guilherme Boulos, afirmou que Carlos "expressa o chorume mais autoritário e doentio", e que ele pode "estar vocalizando um desejo de quem governa o País, por isso, deve ser enfrentado com firmeza".

O relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), escreveu que "não há caminho que não seja pela democracia" e que "insinuar qualquer opção que não seja pelas vias democráticas é brincar com o Estado de Direito, que por sinal, é democrático e elegeu o presidente". "Comentário infeliz e insensato do filho dele", classificou.

A declaração de Carlos encontra pouco apoio nas redes. O irmão do ministro da Educação e assessor especial da Presidência, Arthur Weintraub, citou o falecido primeiro-ministro britânico Winston Churchill, que disse que "a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais", para justificar a fala do filho do presidente. A deputada federal Carla Zambelli, do PSL de São Paulo, retuitou o post.

Mourão rebate
O presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou que as declarações do vereador são "problema dele". Em contraponto ao filho do presidente Jair Bolsonaro, Mourão defendeu que a democracia é "fundamental" e que é "lógico" que é possível fazer mudanças no País por meio do diálogo com o Congresso.

"Lógico, senão a gente não tinha sido eleito", disse Mourão ao ser questionado se é possível fazer as mudanças que o governo quer por vias democráticas. "Temos que negociar com a rapaziada do outro lado da Praça (dos Três Poderes). É assim que funciona. Com clareza, determinação e muita paciência", afirmou.

Mourão foi questionado sobre o assunto na entrada do Palácio do Planalto, onde continua despachando do gabinete da vice-presidência na ausência de Bolsonaro. Ele deve permanecer interinamente no cargo até quinta-feira, 12.

"(A democracia é) Fundamental, são pilares da civilização ocidental. Vou repetir para você: pacto de gerações, democracia, capitalismo e sociedade civil forte. Sem isso, a civilização ocidental não existe", declarou o vice aos jornalistas.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Rolê na Fronteira
Sarau do CDH acontece hoje, veja o que vai rolar na programação
Sarau do CDH acontece hoje, veja o que vai rolar na programação
VISUALIZAR
Política
Dallagnol falta à audiência na Câmara dos Deputados e é chamado de 'fujão'
Dallagnol falta à audiência na Câmara dos Deputados e é chamado de 'fujão'
VISUALIZAR
Economia
Decreto 10006/19 assinado pelo governo que da carta branca para Paulo Guedes privatizar o que...
Decreto 10006/19 assinado pelo governo que da carta branca para Paulo Guedes privatizar o que quiser
VISUALIZAR
Política
Raquel Dodge dá parecer pela cassação de Selma, Senadora de Bolsonaro por caixa 2
Raquel Dodge dá parecer pela cassação de Selma, Senadora de Bolsonaro por caixa 2
VISUALIZAR
Sociedade
Colaborador da Funai é assassinado em área de conflito na Amazônia
Colaborador da Funai é assassinado em área de conflito na Amazônia
VISUALIZAR
Política
Conselho do MP reabre investigação contra Deltan Dallagnol
Conselho do MP reabre investigação contra Deltan Dallagnol
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )