A nova era da informação!

Em Alta

ONU: 2 milhões morrem a cada ano devido a doenças causadas por substâncias tóxicas no trabalho

O relator especial das Nações Unidas para os direitos humanos e substâncias e resíduos perigosos
ONU: 2 milhões morrem a cada ano devido a doenças causadas por substâncias tóxicas no trabalho
17

ONU: 2 milhões morrem a cada ano devido a doenças causadas por substâncias tóxicas no trabalho

O relator especial das Nações Unidas para os direitos humanos e substâncias e resíduos perigosos, Baskut Tuncak, pediu que Estados e empresas aumentem seus esforços para evitar mortes e doenças no trabalho causadas por substâncias perigosas.

O relator especial das Nações Unidas para os direitos humanos e substâncias e resíduos perigosos, Baskut Tuncak, pediu que Estados e empresas aumentem seus esforços para evitar mortes e doenças no trabalho causadas por substâncias perigosas.

“Quase 2 milhões de pessoas morrem a cada ano devido a doenças ocupacionais de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT)”, disse Tuncak. “E muitas doenças ocupacionais como câncer, doenças do pulmão e do coração, abortos e outros impactos na saúde resultam da exposição a químicos perigosos”.

“Os trabalhadores estão entre os que enfrentam mais risco”, disse o especialista em direitos humanos no fim do mês passado, na ocasião do dia internacional da luta pela segurança e saúde no trabalho (28 de abril).

O relator lembrou que enquanto acidentes industriais obtém atenção da mídia, como a recente explosão de uma unidade da petroquímica Pemex no México que matou 30 trabalhadores, “para a maior parte dos consumidores no mundo, esta é uma epidemia invisível de doença e morte”. “Mas, é uma epidemia que podemos, e devemos, evitar.”

Após algumas viagens, o especialista informou a recorrência de casos de trabalhadores enfrentando câncer, doenças respiratórias e problemas cardíacos causados por substâncias tóxicas, e que dificilmente recebem tratamento eficaz.

“A prevenção e a precaução precisam ser o centro dos esforços dos Estados e das empresas para proteger os direitos dos trabalhadores”, disse o relator especial. “Infelizmente, o número de mortes conta outra história.”

 

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

OUVIR NOTÍCIA

O relator especial das Nações Unidas para os direitos humanos e substâncias e resíduos perigosos, Baskut Tuncak, pediu que Estados e empresas aumentem seus esforços para evitar mortes e doenças no trabalho causadas por substâncias perigosas.

O relator especial das Nações Unidas para os direitos humanos e substâncias e resíduos perigosos, Baskut Tuncak, pediu que Estados e empresas aumentem seus esforços para evitar mortes e doenças no trabalho causadas por substâncias perigosas.

“Quase 2 milhões de pessoas morrem a cada ano devido a doenças ocupacionais de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT)”, disse Tuncak. “E muitas doenças ocupacionais como câncer, doenças do pulmão e do coração, abortos e outros impactos na saúde resultam da exposição a químicos perigosos”.

“Os trabalhadores estão entre os que enfrentam mais risco”, disse o especialista em direitos humanos no fim do mês passado, na ocasião do dia internacional da luta pela segurança e saúde no trabalho (28 de abril).

O relator lembrou que enquanto acidentes industriais obtém atenção da mídia, como a recente explosão de uma unidade da petroquímica Pemex no México que matou 30 trabalhadores, “para a maior parte dos consumidores no mundo, esta é uma epidemia invisível de doença e morte”. “Mas, é uma epidemia que podemos, e devemos, evitar.”

Após algumas viagens, o especialista informou a recorrência de casos de trabalhadores enfrentando câncer, doenças respiratórias e problemas cardíacos causados por substâncias tóxicas, e que dificilmente recebem tratamento eficaz.

“A prevenção e a precaução precisam ser o centro dos esforços dos Estados e das empresas para proteger os direitos dos trabalhadores”, disse o relator especial. “Infelizmente, o número de mortes conta outra história.”

 

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Rolê na Fronteira
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do...
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
Sociedade
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
VISUALIZAR
Sociedade
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
América Latina
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
VISUALIZAR
América Latina
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
VISUALIZAR
Agenda de Eventos
2ª Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
2ª  Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )