Portal NFL

Há um mês, Itália resistiu a tomar medidas mais restritivas contra coronavírus; hoje soma 7,5 mil mortes

Semelhante à Bolsonario, o governo italiano reclamava de notícias 'exageradas' e de uma 'infodemia de desinformação'
Há um mês, Itália resistiu a tomar medidas mais restritivas contra coronavírus; hoje soma 7,5 mil mortes
507

Há um mês, Itália resistiu a tomar medidas mais restritivas contra coronavírus; hoje soma 7,5 mil mortes

G1

A Itália confirmou sua 1ª morte por Covid-19 em 21 de fevereiro, quando havia apenas 17 casos confirmados no país. O governo reclamava de notícias 'exageradas' e de uma 'infodemia de desinformação'. Decisão de decretar isolamento nacionalmente veio mais de duas semanas depois.

O Ministério de Saúde da Itália registrou ao menos 7.503 mortes por Covid-19 e mais de 57,5 mil casos do início da epidemia até esta quarta-feira (25). Há um mês, o país mediterrâneo relutava em ampliar medidas de isolamento que estavam concentradas em cidades da Lombardia, região ao norte do país mais afetada pelo surto de coronavírus.

Em 21 de fevereiro, a Itália confirmou sua 1ª morte por Covid-19. Naquele momento, o país registrava apenas 17 casos confirmados da doença. Logo no dia seguinte, o governo italiano anunciou um toque de recolher para 11 cidades da região mais afetada pela doença.

Mas foi apenas em 8 de março que a Itália decidiu isolar toda a região da Lombardia, responsável por parte importante da economia italiana, em uma medida que afetou cerca de 16 milhões de pessoas. No dia seguinte, o isolamento foi estendido para todos os 60 milhões de habitantes do país que naquele momento já registrava mais de 400 mortes pelo novo coronavírus.

ROMA - Uma rua vazia leva ao antigo Coliseu em Roma, na Itália. O país registra mais de 6 mil mortos pela Covid-19, doença
provocada pelo novo coronavírus — Foto: Andrew Medichini/AP

 

Coronavírus na Itália

  • 30 de janeiro: primeiros casos de coronavírus no país
  • 21 de fevereiro: 1ª morte por Covid-19
  • 22 de fevereiro: governo declara toque de recolher na Lombardia
  • 8 de março: Lombardia é isolada para conter avanço da doença
  • 9 de março: isolamento completo em todo o país
  • 19 de março: número de mortos na Itália ultrapassa o da China
  • 21 de março: pico de mortes com 793 registros

'Exagero'

Com o rápido aumento no número dos casos, que em apenas uma semana de fevereiro foram de 76 para 650, diversos países passaram a restringir as viagens tanto com destino como as que tinham origem nas regiões mais afetadas da Itália.

 

O ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio, disse em 27 de fevereiro, que houve uma "cobertura exagerada da mídia", o que teria sido motivo para a redução no número de voos.

 

"Na Itália, passamos de um risco de epidemia para uma 'infodemia' de desinformação, que neste momento está afetando nosso fluxo de turistas, nossos negócios e todo o nosso sistema econômico", disse Di Maio.

Neste mesmo dia, as autoridades de saúde italianas definiram um novo protocolo de testes para poder diagnosticar pacientes infectados pelo novo coronavírus, limitando o número de exames apenas às pessoas consideradas "do grupo de risco" que apresentassem sintomas.

Decretos e revogações

Pessoas com máscaras caminham pelo centro de Milão, na Itália, neste domingo (22) — Foto: Antonio Calanni/AP

 

Prevendo o avanço da epidemia no país e com a falta de ações centralizadas em Roma, prefeitos e governadores italianos tomaram atitudes individuais para tentar conter o surto de Covid-19. Decretos e regras mais restritivas eram impostas pelas regiões, mas anuladas pelo governo italiano.

Em 24 de fevereiro, o primeiro-ministro Giuseppe Conte suspendeu um decreto assinado pelo governador de Marche, região que até aquele momento não registrava casos de coronavírus, que previa o fechamento de escolas e a proibição de aglomerações.

O premiê italiano argumentou que este tipo de ação descentralizada “contribuía para gerar o caos”. O governador da Lombardia, Attilio Fontana, decretou o fechamento de bares e restaurantes, medida que foi anulada pelo governo central de Roma.

Naquele momento, o país ainda contava com cerca de 200 casos confirmados de coronavírus e ao menos 6 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O número de confirmações e mortes aumentou exponencialmente e chegou a mais de 9 mil casos quando o país decidiu se isolar por completo.

Fechamento total

Imagem de um prédio em Roma, na Itália, em 13 de março de 2020 — Foto: Yara Nardi/Reuters

 

A Itália vive, desde o dia 9, um isolamento total que inclui a suspensão de aulas e de serviços não essenciais. Eventos foram cancelados, e até mesmo o transporte de mercadorias foi limitado.

Giuseppe Conte afirmou nesta quarta-feira que a emergência do novo coronavírus é "sem precedentes" em todo o mundo. Ele pediu também que os países sejam rigorosos no combate ao coronavírus.

 

"Ninguém pode aceitar, muito menos a Itália que está fazendo grandes sacrifícios para combater o vírus, que outros países não percebam essa necessidade de máxima atenção preventiva", disse o primeiro-ministro durante um pronunciamento na Câmara dos Deputados da Itália.

 

O premiê disse também que, se outros países não forem rigorosos com as medidas preventivas, a pandemia pode aumentar ainda mais o ritmo dos contágios.

Reflexos no Brasil

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, foi questionado pelo G1 sobre as mudanças de posicionamento da Itália e quais exemplos os recuos deixam para o enfrentamento da Covid-19 no Brasil.

"Diferentemente da Itália, nós estamos nos preparando para um cenário adverso", disse Wanderson. Ele afirmou que o governo prepara estratégias e insumos para enfrentar o avanço da epidemia, mas que os casos aumentam com velocidade diferente em cada estado e que é preciso cautela.

"Que (a quarentena) apresenta resultados, não temos dúvidas. Modulá-la para um país em desenvolvimento é fundamental, evitando exagero, que sejam proporcionais e restritas", disse Wanderson.
Quer conhecer pontos pontos turísticos na America Latina ou em qualquer outro lugar no mundo? Visite nosso site. Compre sua passagem com preços especiais e tranquilidade,  nós recomendamos. hospedagem de qualidade, com todo conforto e com preço justo para qualquer lugar do mundo!  Queremos que conheça as melhores rotas para ir de onde você está para onde você quer chegar de carro,  bicicleta, a pé, avião ou em transporte turístico. Ligue para os lugares que você planeja ir em sua visita para confirmar se estão abertos. Hoje em dia a maioria das pessoas fazem seu seguro viagem para poder viajar com tranquilidade e segurança, e não perca a conexão, nem a oportunidade de enviar em tempo real suas fotos,  clique aqui e viaje conectado.

OUVIR NOTÍCIA

A Itália confirmou sua 1ª morte por Covid-19 em 21 de fevereiro, quando havia apenas 17 casos confirmados no país. O governo reclamava de notícias 'exageradas' e de uma 'infodemia de desinformação'. Decisão de decretar isolamento nacionalmente veio mais de duas semanas depois.

O Ministério de Saúde da Itália registrou ao menos 7.503 mortes por Covid-19 e mais de 57,5 mil casos do início da epidemia até esta quarta-feira (25). Há um mês, o país mediterrâneo relutava em ampliar medidas de isolamento que estavam concentradas em cidades da Lombardia, região ao norte do país mais afetada pelo surto de coronavírus.

Em 21 de fevereiro, a Itália confirmou sua 1ª morte por Covid-19. Naquele momento, o país registrava apenas 17 casos confirmados da doença. Logo no dia seguinte, o governo italiano anunciou um toque de recolher para 11 cidades da região mais afetada pela doença.

Mas foi apenas em 8 de março que a Itália decidiu isolar toda a região da Lombardia, responsável por parte importante da economia italiana, em uma medida que afetou cerca de 16 milhões de pessoas. No dia seguinte, o isolamento foi estendido para todos os 60 milhões de habitantes do país que naquele momento já registrava mais de 400 mortes pelo novo coronavírus.

ROMA - Uma rua vazia leva ao antigo Coliseu em Roma, na Itália. O país registra mais de 6 mil mortos pela Covid-19, doença
provocada pelo novo coronavírus — Foto: Andrew Medichini/AP

 

Coronavírus na Itália

  • 30 de janeiro: primeiros casos de coronavírus no país
  • 21 de fevereiro: 1ª morte por Covid-19
  • 22 de fevereiro: governo declara toque de recolher na Lombardia
  • 8 de março: Lombardia é isolada para conter avanço da doença
  • 9 de março: isolamento completo em todo o país
  • 19 de março: número de mortos na Itália ultrapassa o da China
  • 21 de março: pico de mortes com 793 registros

'Exagero'

Com o rápido aumento no número dos casos, que em apenas uma semana de fevereiro foram de 76 para 650, diversos países passaram a restringir as viagens tanto com destino como as que tinham origem nas regiões mais afetadas da Itália.

 

O ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio, disse em 27 de fevereiro, que houve uma "cobertura exagerada da mídia", o que teria sido motivo para a redução no número de voos.

 

"Na Itália, passamos de um risco de epidemia para uma 'infodemia' de desinformação, que neste momento está afetando nosso fluxo de turistas, nossos negócios e todo o nosso sistema econômico", disse Di Maio.

Neste mesmo dia, as autoridades de saúde italianas definiram um novo protocolo de testes para poder diagnosticar pacientes infectados pelo novo coronavírus, limitando o número de exames apenas às pessoas consideradas "do grupo de risco" que apresentassem sintomas.

Decretos e revogações

Pessoas com máscaras caminham pelo centro de Milão, na Itália, neste domingo (22) — Foto: Antonio Calanni/AP

 

Prevendo o avanço da epidemia no país e com a falta de ações centralizadas em Roma, prefeitos e governadores italianos tomaram atitudes individuais para tentar conter o surto de Covid-19. Decretos e regras mais restritivas eram impostas pelas regiões, mas anuladas pelo governo italiano.

Em 24 de fevereiro, o primeiro-ministro Giuseppe Conte suspendeu um decreto assinado pelo governador de Marche, região que até aquele momento não registrava casos de coronavírus, que previa o fechamento de escolas e a proibição de aglomerações.

O premiê italiano argumentou que este tipo de ação descentralizada “contribuía para gerar o caos”. O governador da Lombardia, Attilio Fontana, decretou o fechamento de bares e restaurantes, medida que foi anulada pelo governo central de Roma.

Naquele momento, o país ainda contava com cerca de 200 casos confirmados de coronavírus e ao menos 6 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O número de confirmações e mortes aumentou exponencialmente e chegou a mais de 9 mil casos quando o país decidiu se isolar por completo.

Fechamento total

Imagem de um prédio em Roma, na Itália, em 13 de março de 2020 — Foto: Yara Nardi/Reuters

 

A Itália vive, desde o dia 9, um isolamento total que inclui a suspensão de aulas e de serviços não essenciais. Eventos foram cancelados, e até mesmo o transporte de mercadorias foi limitado.

Giuseppe Conte afirmou nesta quarta-feira que a emergência do novo coronavírus é "sem precedentes" em todo o mundo. Ele pediu também que os países sejam rigorosos no combate ao coronavírus.

 

"Ninguém pode aceitar, muito menos a Itália que está fazendo grandes sacrifícios para combater o vírus, que outros países não percebam essa necessidade de máxima atenção preventiva", disse o primeiro-ministro durante um pronunciamento na Câmara dos Deputados da Itália.

 

O premiê disse também que, se outros países não forem rigorosos com as medidas preventivas, a pandemia pode aumentar ainda mais o ritmo dos contágios.

Reflexos no Brasil

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, foi questionado pelo G1 sobre as mudanças de posicionamento da Itália e quais exemplos os recuos deixam para o enfrentamento da Covid-19 no Brasil.

"Diferentemente da Itália, nós estamos nos preparando para um cenário adverso", disse Wanderson. Ele afirmou que o governo prepara estratégias e insumos para enfrentar o avanço da epidemia, mas que os casos aumentam com velocidade diferente em cada estado e que é preciso cautela.

"Que (a quarentena) apresenta resultados, não temos dúvidas. Modulá-la para um país em desenvolvimento é fundamental, evitando exagero, que sejam proporcionais e restritas", disse Wanderson.
Quer conhecer pontos pontos turísticos na America Latina ou em qualquer outro lugar no mundo? Visite nosso site. Compre sua passagem com preços especiais e tranquilidade,  nós recomendamos. hospedagem de qualidade, com todo conforto e com preço justo para qualquer lugar do mundo!  Queremos que conheça as melhores rotas para ir de onde você está para onde você quer chegar de carro,  bicicleta, a pé, avião ou em transporte turístico. Ligue para os lugares que você planeja ir em sua visita para confirmar se estão abertos. Hoje em dia a maioria das pessoas fazem seu seguro viagem para poder viajar com tranquilidade e segurança, e não perca a conexão, nem a oportunidade de enviar em tempo real suas fotos,  clique aqui e viaje conectado.

Fonte

G1

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

América Latina
Deputados do Chile aprovam taxar grandes fortunas para fortalecer combate ao Covid-19
Deputados do Chile aprovam taxar grandes fortunas para fortalecer combate ao Covid-19
VISUALIZAR
Sociedade
Pesquisa mostra recorde de rejeição de Bolsonaro
Pesquisa mostra recorde de rejeição de Bolsonaro
VISUALIZAR
Política
REDE protocola pedido de impeachment de Augusto Heleno na Câmara
REDE protocola pedido de impeachment de Augusto Heleno na Câmara
VISUALIZAR
Sociedade
Homem é preso com nove armas e bandeira nazista em São Paulo
Homem é preso com nove armas e bandeira nazista em São Paulo
VISUALIZAR
Sociedade
Dono do Facebook defende decisão de remover conteúdo falso postado por Bolsonaro
Dono do Facebook defende decisão de remover conteúdo falso postado por Bolsonaro
VISUALIZAR
América Latina
Caso bem-sucedido na América Latina, Uruguai enfrenta covid-19 sem quarentena obrigatória e...
Caso bem-sucedido na América Latina, Uruguai enfrenta covid-19 sem quarentena obrigatória e uso de máscaras
VISUALIZAR