Portal Fronteira Livre

Terça, 03 de agosto de 2021
MENU

Política

Alvo de investigação da PF, Ricardo Salles pede demissão

Exoneração do ministro do meio ambiente de bolsonaro foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União

437
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu demissão nesta 4ª feira (23.jun.2021). Assume o cargo Joaquim Alvaro Pereira Leite. A troca foi publicada em edição extra do DOU (Diário Oficial da União) nesta tarde. Eis a íntegra (44Kb) . Depois da publicação oficial de sua saída, Salles deu uma declaração à imprensa no Palácio do Planalto.

Eu vim anunciar que apresentei ao presidente da República [Jair Bolsonaro] e ele já aceitou e foi publicado o meu pedido de exoneração do cargo de ministro de Estado do Meio Ambiente. Cargo esse que muito me honrou o convite e eu desempenhei da melhor forma possível ao longo de dois anos e meio“, declarou Salles.

Eu entendo que o Brasil, ao longo deste ano e no ano que vem, na inserção internacional e também na agenda nacional, precisa ter uma união muito forte de interesses e de anseios e de esforços. E para que isso se faça da maneira mais serena possível, apresentei ao senhor presidente o meu pedido de exoneração, que foi atendido”, disse. “Eu serei substituído pelo secretário Joaquim Álvaro Pereira Leite, que também tem muita experiência e conhece todos esses assuntos”, afirmou.

Salles não respondeu perguntas. O agora ex-ministro citou ações da sua gestão e afirmou que seguiu a orientação do presidente Jair Bolsonaro de  procurar o “equilíbrio entre desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente“. Ele disse ainda que em seu tempo no ministério buscou o “respeito” ao setor privado, ao agronegócio e ao produtor rural brasileiros e empresários. O ministro é alvo de investigação por favorecer madeireirs.

O novo ministro da pasta, Joaquim Alvaro Pereira Leite, é o atual secretário da Amazônia e Serviços Ambientais do Ministério do Meio Ambiente. Ele ocupa cargos de confiança no Ministério do Meio Ambiente desde 2019, quando era diretor Departamento Florestal. O agora ministro, é ex-conselheiro de uma das principais entidades ruralistas do país, a SRB (Sociedade Rural Brasileira). Ele ficou na entidade por 23 anos, de janeiro de 1996 a julho de 2019.

INVESTIGAÇÃO

No dia 19 de maio, a Polícia Federal deflagrou busca e apreensão em endereços ligados a Salles e ao Ministério. A ação teve como objetivo, segundo a PF, apurar crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando. Os delitos teriam sido praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

A operação, batizada de Akuanduba, foi deflagrada por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). Eis a decisão (636 kb).

A decisão judicial ainda determinou a quebra dos sigilos fiscal e bancário de Salles. A casa do ministro do Meio Ambiente, na região central de São Paulo, o imóvel funcional que ele ocupa em Brasília e um gabinete da pasta no Pará estão entre os endereços visitados pelos agentes da PF. Somente 19 dias depois da operação, Salles entregou o seu celular à PF.

Há ainda um outro caso envolvendo Salles no Supremo. Em 31 de maio, a PGR pediu para o STF abrir um inquérito contra o ministro. A solicitação é para investigar crimes de advocacia administrativa, como obstrução de investigação ambiental e organização criminosa. A ministra Cármen Lúcia é a relatora.

O pedido de inquérito deriva da notícia-crime apresentada em abril pelo ex-superintendente da PF no Amazonas, Alexandre Saraiva. Ele acusou Salles de atuar em favor de madeireiros investigados da Operação Handroanthus GLO, que mirou extração ilegal de madeira na Amazônia no final do ano passado.

A PGR solicitou a oitiva dos madeireiros investigados pela PF e dos agentes de fiscalização da corporação e do Ibama que atuaram na Handroanthus GLO, cópia digitalizada dos procedimentos de investigação relacionados a crimes ambientais e uma inquirição de Salles.

Fonte/Créditos: Alice Cravo e Emily Behnke / Poder360

Créditos (Imagem de capa): Íntimo de Bolsonaro, Ricardo Salles é elogiado por chefe da PF, de quem sofre investigação. Reprodução: Folha/UOL

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!