Portal NFL

Em Alta

Agrotóxico glifosato tem nova condenação nos EUA por causar câncer

Em fevereiro, a Anvisa liberou o produto no Brasil, ignorando pesquisas que o apontam como cancerígeno
Agrotóxico glifosato tem nova condenação nos EUA por causar câncer
128

Agrotóxico glifosato tem nova condenação nos EUA por causar câncer

O júri ainda vai julgar a responsabilidade da Bayer, dona da Monsanto, que desenvolveu a fórmula. Em fevereiro, a Anvisa liberou o produto no Brasil, ignorando pesquisas que o apontam como cancerígeno.

São Paulo – O glifosato está cada vez mais presente no banco dos réus nos Estados Unidos, principalmente pela acusação de causar câncer em pessoas expostas ao agrotóxico. Na terça-feira (19), um júri federal de São Francisco, na Califórnia, reconheceu que o Roundup, nome comercial do produto desenvolvido pela multinacional Monsanto, hoje propriedade da Bayer, contribuiu para o desenvolvimento do câncer no aposentado Edwin Hardeman, um Linfoma não-Hodgkin, que afeta principalmente o sistema imunológico.

Os jurados se pronunciaram apenas sobre a culpa do glifosato no câncer de Hardeman. A responsabilidade dessas empresas será julgada na segunda fase do processo, quando serão ouvidos médicos, cientistas e as indústrias – o que traz o temor de manipulações de dados e pesquisas que deverão ser apresentados.

À imprensa britânica, a Bayer afirmou estar decepcionada com o veredicto. Desde que comprou a Monsanto, por US$ 63 bilhões, as ações da multinacional alemã foram desvalorizadas em cerca de 40% por causa das derrotas em tribunais dos Estados Unidos, onde tramitam mais de 8 mil processos somente contra o herbicida mais vendido em todo o mundo.

Em agosto, um tribunal estadual da Califórnia condenou a Bayer/Monsanto por ter causado no jardineiro Dewayne Johnson o mesmo tipo de câncer desenvolvido por Hardeman. E calculou indenização no valor de US$ 289 milhões. Nesse caso, não só o produto causador da doença foi condenado, mas também o fabricante, por ter agido intencionalmente para esconder os riscos do glifosato. O valor acabou reduzido para US$ 78,5 milhões e mesmo assim a Bayer entrou com recurso, argumentando que “a ciência confirma que os herbicidas à base de glifosato não causam câncer”.

O cerco ao glifosato vai além das decisões judiciais nos Estados Unidos. Na Europa, países como a França estudam bani-lo. E a Rússia já impôs exigências ao Brasil. Caso queira continuar exportando soja para lá, terá de reduzir o uso de agrotóxicos, conforme decisão do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária, o Rosselkhoznadzor, de 31 de janeiro.

No entanto, o Brasil insiste em seguir na contramão. Ao reavaliar o glifosato do ponto de vista toxicológico, a Anvisa o absolveu, dando ouvidos somente aos fabricantes e ignorou todos os estudos e evidências que apontam que o produto causa câncer e que está associado também a malformações congênitas e em alterações no sistema reprodutivo. Em nota técnica divulgada em 22 de fevereiro, estabelece que a formulação não se enquadra em critérios proibitivos: não seria mutagênica, carcinogênica e não afetaria a reprodução.

Autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, a pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) Larissa Mies Bombardi afirmou que a nota técnica “não é séria”. À Rádio Brasil Atual, Larissa destacou que as conclusões do órgão vão na contramão de estudos sobre os reais malefícios do agrotóxico à saúde. “Penso que é um tremendo despautério afirmar que não há esses riscos”, afirmou a pesquisadora. “Esse trabalho da Anvisa desqualifica o Iarc (Agência Internacional de Pesquisa em Câncer contratada pela Organização Mundial da Saúde) que admite que o glifosato é cancerígeno para os humanos”.

E destacou que o risco é mais elevado para quem trabalha diretamente exposto ao produto. “Não é preciso ser especialista para saber que o risco é maior para quem está lidando com essa substância. O que tem por trás dessa conclusão é uma estratégia clara de tentar inverter a ordem das coisas e culpar a vítima.”

Por Redação RBA

Quer conhecer pontos pontos turísticos na America Latina ou em qualquer outro lugar no mundo? Visite nosso site. Compre sua passagem com preços especiais e tranquilidade,  nós recomendamos. hospedagem de qualidade, com todo conforto e com preço justo para qualquer lugar do mundo!  Queremos que conheça as melhores rotas para ir de onde você está para onde você quer chegar de carro,  bicicleta, a pé, avião ou em transporte turístico. Ligue para os lugares que você planeja ir em sua visita para confirmar se estão abertos. Hoje em dia a maioria das pessoas fazem seu seguro viagem para poder viajar com tranquilidade e segurança, e não perca a conexão, nem a oportunidade de enviar em tempo real suas fotos,  clique aqui e viaje conectado.

OUVIR NOTÍCIA

O júri ainda vai julgar a responsabilidade da Bayer, dona da Monsanto, que desenvolveu a fórmula. Em fevereiro, a Anvisa liberou o produto no Brasil, ignorando pesquisas que o apontam como cancerígeno.

São Paulo – O glifosato está cada vez mais presente no banco dos réus nos Estados Unidos, principalmente pela acusação de causar câncer em pessoas expostas ao agrotóxico. Na terça-feira (19), um júri federal de São Francisco, na Califórnia, reconheceu que o Roundup, nome comercial do produto desenvolvido pela multinacional Monsanto, hoje propriedade da Bayer, contribuiu para o desenvolvimento do câncer no aposentado Edwin Hardeman, um Linfoma não-Hodgkin, que afeta principalmente o sistema imunológico.

Os jurados se pronunciaram apenas sobre a culpa do glifosato no câncer de Hardeman. A responsabilidade dessas empresas será julgada na segunda fase do processo, quando serão ouvidos médicos, cientistas e as indústrias – o que traz o temor de manipulações de dados e pesquisas que deverão ser apresentados.

À imprensa britânica, a Bayer afirmou estar decepcionada com o veredicto. Desde que comprou a Monsanto, por US$ 63 bilhões, as ações da multinacional alemã foram desvalorizadas em cerca de 40% por causa das derrotas em tribunais dos Estados Unidos, onde tramitam mais de 8 mil processos somente contra o herbicida mais vendido em todo o mundo.

Em agosto, um tribunal estadual da Califórnia condenou a Bayer/Monsanto por ter causado no jardineiro Dewayne Johnson o mesmo tipo de câncer desenvolvido por Hardeman. E calculou indenização no valor de US$ 289 milhões. Nesse caso, não só o produto causador da doença foi condenado, mas também o fabricante, por ter agido intencionalmente para esconder os riscos do glifosato. O valor acabou reduzido para US$ 78,5 milhões e mesmo assim a Bayer entrou com recurso, argumentando que “a ciência confirma que os herbicidas à base de glifosato não causam câncer”.

O cerco ao glifosato vai além das decisões judiciais nos Estados Unidos. Na Europa, países como a França estudam bani-lo. E a Rússia já impôs exigências ao Brasil. Caso queira continuar exportando soja para lá, terá de reduzir o uso de agrotóxicos, conforme decisão do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária, o Rosselkhoznadzor, de 31 de janeiro.

No entanto, o Brasil insiste em seguir na contramão. Ao reavaliar o glifosato do ponto de vista toxicológico, a Anvisa o absolveu, dando ouvidos somente aos fabricantes e ignorou todos os estudos e evidências que apontam que o produto causa câncer e que está associado também a malformações congênitas e em alterações no sistema reprodutivo. Em nota técnica divulgada em 22 de fevereiro, estabelece que a formulação não se enquadra em critérios proibitivos: não seria mutagênica, carcinogênica e não afetaria a reprodução.

Autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, a pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) Larissa Mies Bombardi afirmou que a nota técnica “não é séria”. À Rádio Brasil Atual, Larissa destacou que as conclusões do órgão vão na contramão de estudos sobre os reais malefícios do agrotóxico à saúde. “Penso que é um tremendo despautério afirmar que não há esses riscos”, afirmou a pesquisadora. “Esse trabalho da Anvisa desqualifica o Iarc (Agência Internacional de Pesquisa em Câncer contratada pela Organização Mundial da Saúde) que admite que o glifosato é cancerígeno para os humanos”.

E destacou que o risco é mais elevado para quem trabalha diretamente exposto ao produto. “Não é preciso ser especialista para saber que o risco é maior para quem está lidando com essa substância. O que tem por trás dessa conclusão é uma estratégia clara de tentar inverter a ordem das coisas e culpar a vítima.”

Por Redação RBA

Quer conhecer pontos pontos turísticos na America Latina ou em qualquer outro lugar no mundo? Visite nosso site. Compre sua passagem com preços especiais e tranquilidade,  nós recomendamos. hospedagem de qualidade, com todo conforto e com preço justo para qualquer lugar do mundo!  Queremos que conheça as melhores rotas para ir de onde você está para onde você quer chegar de carro,  bicicleta, a pé, avião ou em transporte turístico. Ligue para os lugares que você planeja ir em sua visita para confirmar se estão abertos. Hoje em dia a maioria das pessoas fazem seu seguro viagem para poder viajar com tranquilidade e segurança, e não perca a conexão, nem a oportunidade de enviar em tempo real suas fotos,  clique aqui e viaje conectado.

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Economia
Com R$ 13,7 bi, Bradesco e Itaú lideram lucros, enquanto Petrobras tem prejuízo de R$ 51,5...
Com R$ 13,7 bi, Bradesco e Itaú lideram lucros, enquanto Petrobras tem prejuízo de R$ 51,5 bi na pandemia
VISUALIZAR
Sociedade
Bolsonaro veta auxílio a agricultores familiares
Bolsonaro veta auxílio a agricultores familiares
VISUALIZAR
Política
“Em agenda em Foz do Iguaçu Bolsonaro é recebido com faixa: Por que Michelle recebeu R$ 89...
“Em agenda em Foz do Iguaçu Bolsonaro é recebido com faixa: Por que Michelle recebeu R$ 89 mil do Queiroz?”
VISUALIZAR
Sociedade
'Já deixei de comer, mas não quero que o meu bicho passe fome', diz idosa que apela por...
'Já deixei de comer, mas não quero que o meu bicho passe fome', diz idosa que apela por adoção de seus mais de 20 pets
VISUALIZAR
Sociedade
Moby chama atenção para desmatamento na Amazônia em novo clipe
Moby chama atenção para desmatamento na Amazônia em novo clipe
VISUALIZAR
Sociedade
TJ concede liminar que liberta urso Robinho do Zoológico de Goiânia
TJ concede liminar que liberta urso Robinho do Zoológico de Goiânia
VISUALIZAR