Portal NFL

MENU
Logo
Quarta, 20 de janeiro de 2021
Publicidade
Publicidade

Sociedade

A vida em Beirute à espera de respostas cinco meses após megaexplosão

Desde então, políticos não conseguiram formar um novo Governo e paralisaram as investigações enquanto as vítimas aguardavam uma compensação

69
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Explosão colossal em 4 de agosto deixou 205 mortos, mais de 6.500 feridos e 350.000 desabrigados. Desde então, políticos não conseguiram formar um novo Governo e paralisaram as investigações em andamento enquanto as vítimas aguardavam uma compensação. ONGs e sociedade civil se uniram para preencher o vácuo do Estado.

Vista do estado atual do porto de Beirute, na quinta-feira passada. Natalia Sancha

 

“Nós vamos ficar”, diz uma placa em uma casa parcialmente destruída pela explosão e onde trabalha um grupo de operários. Natalia Sancha

 

Um bar do bairro de Gemmayze recupera clientes durante as festas de fim de ano.  Natalia Sancha

 

Aspecto de rua de GGemmayze, no bairro cristão de Beirute. Natalia Sancha

 

Mirna Habbouch, de 36 anos, em sua casa no bairro de Qarantina. Natalia Sancha

 

Um vizinho do bairro de Mar Mikhael caminha em frente a um posto de gasolina que ainda está desmoronada desde a explosão ocorrida em 4 de agosto. Natalia Sancha

 

Mirna Habbouch, durante sessões de reabilitação no hospital Hôtel Dieu em Beirute na última quarta-feira. Natalia Sancha

 

As luzes de um presépio em tamanho real contrastam com a destruição da sede da empresa libanesa de eletricidade. Natalia Sancha

 

O grafite de uma Mona Lisa armada com um lançador de granadas sobreviveu na parede de um prédio localizado a apenas 200 metros do porto de Beirute. Natalia Sancha

 

Uma voluntária da ONG Grassroots atende a vários vizinhos do bairro de Gemmayze afetados pela explosão. Natalia Sancha

 

O grafite de uma criança soprando bolhas de sabão na parede de um dos prédios próximos ao porto que permaneceu de pé após a explosão de 4 de agosto. Natalia Sancha

 

Vista na quinta-feira passada do porto de Beirute, epicentro da explosão de 4 de agosto. Natalia Sancha

 

 

Fonte/Créditos: Natalia Sancha

Créditos (Imagem de capa): Natalia Sancha

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade