A nova era da informação!

Em Alta

A ESCRAVIDÃO MODERNA: OS 10 PAÍSES QUE MAIS ESCRAVIZAM ADULTOS E CRIANÇAS

A escravidão, infelizmente, não faz parte da história do passado, mas de várias formas, ela ainda é muito presente na população
A ESCRAVIDÃO MODERNA: OS 10 PAÍSES QUE MAIS ESCRAVIZAM ADULTOS E CRIANÇAS
17

A ESCRAVIDÃO MODERNA: OS 10 PAÍSES QUE MAIS ESCRAVIZAM ADULTOS E CRIANÇAS

A escravidão, infelizmente, não faz parte da história do passado, mas de várias formas, ela ainda é muito presente na população mundial. Um relatóriorecentemente publicado pela Walk Free Fondation, uma organização pelos direitos humanos, estima que 35,8 milhões de pessoas são escravizadas em todo o mundo, e 10 países possuem 70% deste total.

A escravidão moderna é diferente da tradicional. Esta última, ilegal em cada um dos 167 países pesquisados em 2014 pelo Global Slavery Index que tratam as pessoas como se elas fossem uma propriedade. A escravidão moderna, definida como a posse ou o controle de uma pessoa privada de seus direitos, com a intenção de exploração, existe em cada uma destas 167 nações.

Em alguns países, o número de escravos é particularmente elevado. Cinco países são responsáveis por 61% do total de pessoas que vivem sob a escravidão moderna, e 70% de todas as pessoas escravizadas, vivem em 10 países. A Índia é o país que abriga o maior número de escravos, mais de 14 milhões.

Veja os detalhes da triste lista dos 10 países que mais escravizam no mundo:

1. Índia

O segundo país mais populoso do mundo, a Índia tem o maior número absoluto de pessoas que vivem em condições de escravidão moderna. Os 14,3 milhões de escravos ali presentes são quatro vezes mais do que o número de escravos modernos na China, país na segunda posição do ranking. A prevalência da escravidão na Índia, como em outros países da região da Ásia-Pacífico, é em grande parte devida à dependência da economia baseada na mão de obra barata e não qualificada.

2. China

Ali, a população escravizada é de cerca de 3,2 milhões de pessoas. Este valor elevado pode ser proporcional ao fato de que a China é o país mais populoso do mundo, com mais de 1,3 bilhão de pessoas. No entanto, nos EUA, o terceiro país mais populoso do mundo, há pouco mais de 60 mil pessoas que vivem em condições de escravidão moderna, de acordo com o Walk Free Foundation. A rápida modernização da China e a urbanização juntamente com a grande migração nacional, seriam a base da escravização de muitas pessoas, especialmente na indústria da construção civil e na mineração.

3. Paquistão

Ali vivem na escravidão 2,1 milhões de pessoas, cerca de 1% da população do Paquistão. A forma mais comum é a servidão por dívidas, uma técnica frequentemente utilizada pelos empregadores. Se os trabalhadores aumentarem ainda mais as suas dívidas, outros membros da família são muitas vezes forçados a ajudar o empregador gratuitamente. De acordo com a Walk Free Foundation, existem cerca de 10 milhões de crianças trabalhadoras no Paquistão.

4. Uzbequistão

Cerca de 4% de todas as pessoas que vivem nas proximidades do Uzbequistãoencontram-se em condições de escravidão moderna. Quase a porcentagem mais alta do mundo, com mais de um milhão de pessoas forçadas a colher algodãopor dois meses a cada ano. Apesar de uma queda na produção do algodão nos últimos anos e de uma queda nos preços mundiais deste produto, seja o FMI que o Banco Asiático de Desenvolvimento prevê um forte crescimento na economia do país em 2014 e em 2015.

5. Rússia

A Rússia é um dos cinco países do mundo com mais de um milhão de pessoas que vivem como escravos modernos, de acordo com a Walk Free Foundation. Entre esses trabalhadores nascidos na antiga União Soviética, mulheres e crianças são vítimas do tráfico sexual. A fundação também é bastante crítica à resposta do governo russo para o problema, e assinala que a corrupção desenfreada na aplicação da lei aumenta a vulnerabilidade dos russos que vivem em condições de escravidão moderna.

6. Nigéria

O país Africano tem 834.200 pessoas escravizadas. A Nigéria não sofre a guerra e os distúrbios civis na mesma medida que outros países africanos. No entanto, o país ainda luta com a escravidão moderna. Cerca de uma a cada 200 pessoas vivem na escravidão, uma das mais altas taxas de todo o mundo. O governo nigeriano é o que está melhor enfrentando o problema. A Nigéria foi um dos apenas oito países da África Subsariana, a ter um orçamento claro – 11.900 mil dólares – para financiar o combate ao tráfico humano. Este também foi o maior orçamento regional, o que provavelmente ajudou o governo da Nigéria a receber o melhor índice de avaliação entre os países africanos contra a escravidão.

7. Congo

Na República Democrática do Congo, 762.900 pessoas são escravizadas. Apesar da economia forte, o país ainda está entre os menos desenvolvidos do mundo. A RDC tem sido palco de uma sangrenta guerra que envolveu vários países africanos entre 1998 e 2003, e que custou milhões de vidas. Vários conflitos armados continuam até hoje. De acordo com a Walk Free Foundation, décadas de instabilidade política e de uma violenta guerra civil deixaram muitos cidadãos da República Democrática do Congo vulneráveis à escravidão moderna. Outro fator é a rica quantidade de minerais no país, por isso existem ali muitos escravos utilizados na extração de diamantes, cobre e ouro.

8. Indonésia

São 714.100 pessoas na escravidão moderna. A Indonésia é um dos países mais populosos do mundo, com quase 250 milhões de cidadãos. De acordo com a Walk Free Foundation, a escravidão moderna na Indonésia é caracterizada por trabalho forçado doméstico, agrícola e no setor pesqueiro. Em particular, o relatório identifica a produção do óleo de palma como um problema, dizendo que muitas vezes é produzido pelos trabalhadores que estão presos nas plantações. O óleo de palma é usado em muitos produtos de consumo, do batom ao sorvete.

9. Bangladesh

São 680.900 pessoas na escravidão moderna. De acordo com a Walk Free Foundation, o desabamento de uma fábrica de roupas de oito andares no ano passado matou mais de 1.000 trabalhadores. O incidente pôs em evidência a situação dos cidadãos que trabalham em ambientes perigosos e desprotegidos.

10. Tailândia

A população em estado de escravidão moderna é de cerca de 475.300 pessoas. Como muitos outros países da região da Ásia-Pacífico – onde vivem cerca de dois terços dos escravos modernos do mundo – a economia da Tailândia depende fortemente de empregos pouco qualificados, especialmente na pesca e nas indústrias de vestuário. Além disso, os trabalhadores migrantes de países vizinhos representam uma proporção considerável da força de trabalho na Tailândia e são, talvez, ainda mais propensos a aceitarem o trabalho forçado ou a exploração sexual.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

OUVIR NOTÍCIA

A escravidão, infelizmente, não faz parte da história do passado, mas de várias formas, ela ainda é muito presente na população mundial. Um relatóriorecentemente publicado pela Walk Free Fondation, uma organização pelos direitos humanos, estima que 35,8 milhões de pessoas são escravizadas em todo o mundo, e 10 países possuem 70% deste total.

A escravidão moderna é diferente da tradicional. Esta última, ilegal em cada um dos 167 países pesquisados em 2014 pelo Global Slavery Index que tratam as pessoas como se elas fossem uma propriedade. A escravidão moderna, definida como a posse ou o controle de uma pessoa privada de seus direitos, com a intenção de exploração, existe em cada uma destas 167 nações.

Em alguns países, o número de escravos é particularmente elevado. Cinco países são responsáveis por 61% do total de pessoas que vivem sob a escravidão moderna, e 70% de todas as pessoas escravizadas, vivem em 10 países. A Índia é o país que abriga o maior número de escravos, mais de 14 milhões.

Veja os detalhes da triste lista dos 10 países que mais escravizam no mundo:

1. Índia

O segundo país mais populoso do mundo, a Índia tem o maior número absoluto de pessoas que vivem em condições de escravidão moderna. Os 14,3 milhões de escravos ali presentes são quatro vezes mais do que o número de escravos modernos na China, país na segunda posição do ranking. A prevalência da escravidão na Índia, como em outros países da região da Ásia-Pacífico, é em grande parte devida à dependência da economia baseada na mão de obra barata e não qualificada.

2. China

Ali, a população escravizada é de cerca de 3,2 milhões de pessoas. Este valor elevado pode ser proporcional ao fato de que a China é o país mais populoso do mundo, com mais de 1,3 bilhão de pessoas. No entanto, nos EUA, o terceiro país mais populoso do mundo, há pouco mais de 60 mil pessoas que vivem em condições de escravidão moderna, de acordo com o Walk Free Foundation. A rápida modernização da China e a urbanização juntamente com a grande migração nacional, seriam a base da escravização de muitas pessoas, especialmente na indústria da construção civil e na mineração.

3. Paquistão

Ali vivem na escravidão 2,1 milhões de pessoas, cerca de 1% da população do Paquistão. A forma mais comum é a servidão por dívidas, uma técnica frequentemente utilizada pelos empregadores. Se os trabalhadores aumentarem ainda mais as suas dívidas, outros membros da família são muitas vezes forçados a ajudar o empregador gratuitamente. De acordo com a Walk Free Foundation, existem cerca de 10 milhões de crianças trabalhadoras no Paquistão.

4. Uzbequistão

Cerca de 4% de todas as pessoas que vivem nas proximidades do Uzbequistãoencontram-se em condições de escravidão moderna. Quase a porcentagem mais alta do mundo, com mais de um milhão de pessoas forçadas a colher algodãopor dois meses a cada ano. Apesar de uma queda na produção do algodão nos últimos anos e de uma queda nos preços mundiais deste produto, seja o FMI que o Banco Asiático de Desenvolvimento prevê um forte crescimento na economia do país em 2014 e em 2015.

5. Rússia

A Rússia é um dos cinco países do mundo com mais de um milhão de pessoas que vivem como escravos modernos, de acordo com a Walk Free Foundation. Entre esses trabalhadores nascidos na antiga União Soviética, mulheres e crianças são vítimas do tráfico sexual. A fundação também é bastante crítica à resposta do governo russo para o problema, e assinala que a corrupção desenfreada na aplicação da lei aumenta a vulnerabilidade dos russos que vivem em condições de escravidão moderna.

6. Nigéria

O país Africano tem 834.200 pessoas escravizadas. A Nigéria não sofre a guerra e os distúrbios civis na mesma medida que outros países africanos. No entanto, o país ainda luta com a escravidão moderna. Cerca de uma a cada 200 pessoas vivem na escravidão, uma das mais altas taxas de todo o mundo. O governo nigeriano é o que está melhor enfrentando o problema. A Nigéria foi um dos apenas oito países da África Subsariana, a ter um orçamento claro – 11.900 mil dólares – para financiar o combate ao tráfico humano. Este também foi o maior orçamento regional, o que provavelmente ajudou o governo da Nigéria a receber o melhor índice de avaliação entre os países africanos contra a escravidão.

7. Congo

Na República Democrática do Congo, 762.900 pessoas são escravizadas. Apesar da economia forte, o país ainda está entre os menos desenvolvidos do mundo. A RDC tem sido palco de uma sangrenta guerra que envolveu vários países africanos entre 1998 e 2003, e que custou milhões de vidas. Vários conflitos armados continuam até hoje. De acordo com a Walk Free Foundation, décadas de instabilidade política e de uma violenta guerra civil deixaram muitos cidadãos da República Democrática do Congo vulneráveis à escravidão moderna. Outro fator é a rica quantidade de minerais no país, por isso existem ali muitos escravos utilizados na extração de diamantes, cobre e ouro.

8. Indonésia

São 714.100 pessoas na escravidão moderna. A Indonésia é um dos países mais populosos do mundo, com quase 250 milhões de cidadãos. De acordo com a Walk Free Foundation, a escravidão moderna na Indonésia é caracterizada por trabalho forçado doméstico, agrícola e no setor pesqueiro. Em particular, o relatório identifica a produção do óleo de palma como um problema, dizendo que muitas vezes é produzido pelos trabalhadores que estão presos nas plantações. O óleo de palma é usado em muitos produtos de consumo, do batom ao sorvete.

9. Bangladesh

São 680.900 pessoas na escravidão moderna. De acordo com a Walk Free Foundation, o desabamento de uma fábrica de roupas de oito andares no ano passado matou mais de 1.000 trabalhadores. O incidente pôs em evidência a situação dos cidadãos que trabalham em ambientes perigosos e desprotegidos.

10. Tailândia

A população em estado de escravidão moderna é de cerca de 475.300 pessoas. Como muitos outros países da região da Ásia-Pacífico – onde vivem cerca de dois terços dos escravos modernos do mundo – a economia da Tailândia depende fortemente de empregos pouco qualificados, especialmente na pesca e nas indústrias de vestuário. Além disso, os trabalhadores migrantes de países vizinhos representam uma proporção considerável da força de trabalho na Tailândia e são, talvez, ainda mais propensos a aceitarem o trabalho forçado ou a exploração sexual.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Rolê na Fronteira
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do...
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
Sociedade
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
VISUALIZAR
Sociedade
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
América Latina
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
VISUALIZAR
América Latina
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
VISUALIZAR
Agenda de Eventos
2ª Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
2ª  Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )