A nova era da informação!

Em Alta

15 grafites que ocupam os muros do Rio na luta contra violência doméstica

Em busca de um “sopro” de liberdade, a artista plástica Panmela Castro, 34, começou a se envolver com arte urbana aos 17 anos
15 grafites que ocupam os muros do Rio na luta contra violência doméstica
21

15 grafites que ocupam os muros do Rio na luta contra violência doméstica

 Em busca de um “sopro” de liberdade, a artista plástica Panmela Castro, 34, começou a se envolver com arte urbana aos 17 anos, quando escalava os prédios cariocas para pichar sua marca nos topos mais altos.

Estudante da Escola de Belas Artes da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), viu sua rotina mudar quando começou a ter graves discussões com o então companheiro, que não tardaram para a agressão física.

“Ele me torturava debaixo do chuveiro frio, colocava fogo no spray de inseticida exigindo que eu cuidasse da casa”, diz.

Depois de ser espancada, Panmela foi mantida pelo namorado em cárcere privado durante uma semana.

Afastada da pichação, se envolveu com grafite aos 24 anos. Na sequência, encontrou na luta pelos direitos das mulheres, no feminismo e no combate à violência doméstica a mensagem para passar com sua arte.

Fundou a Rede Nami, associação sem fins lucrativos, que usa as artes urbanas para promover os direitos das mulheres, em 2012, ao lado de 30 feministas.

Com seu projeto social, Panmela foi finalista do Prêmio Empreendedor Social de Futuro 2015 e ficou entre as “150 mulheres que abalaram o mundo”, segundo a revista norte-americana “Newsweek”, em 2012.

Atualmente, por todo o país, o grupo reúne mais de 500 mulheres, que usam o grafite contra a violência doméstica.

A organização promove oficinas do projeto Grafite pelo Fim da Violência Doméstica Contra a Mulher, em comunidades e escolas públicas do Rio de Janeiro.

O bate-papo aborda percepção de gênero, tipos de violência e ferramentas da Lei Maria da Penha, marco legal para responsabilização de agressores. Os temas são depois transpostos para os muros como atividade final da oficina. “O grafite é uma solução nova para antigas demandas, é revolucionário, é como a arte sempre foi usada”, diz Panmela.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

OUVIR NOTÍCIA

 Em busca de um “sopro” de liberdade, a artista plástica Panmela Castro, 34, começou a se envolver com arte urbana aos 17 anos, quando escalava os prédios cariocas para pichar sua marca nos topos mais altos.

Estudante da Escola de Belas Artes da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), viu sua rotina mudar quando começou a ter graves discussões com o então companheiro, que não tardaram para a agressão física.

“Ele me torturava debaixo do chuveiro frio, colocava fogo no spray de inseticida exigindo que eu cuidasse da casa”, diz.

Depois de ser espancada, Panmela foi mantida pelo namorado em cárcere privado durante uma semana.

Afastada da pichação, se envolveu com grafite aos 24 anos. Na sequência, encontrou na luta pelos direitos das mulheres, no feminismo e no combate à violência doméstica a mensagem para passar com sua arte.

Fundou a Rede Nami, associação sem fins lucrativos, que usa as artes urbanas para promover os direitos das mulheres, em 2012, ao lado de 30 feministas.

Com seu projeto social, Panmela foi finalista do Prêmio Empreendedor Social de Futuro 2015 e ficou entre as “150 mulheres que abalaram o mundo”, segundo a revista norte-americana “Newsweek”, em 2012.

Atualmente, por todo o país, o grupo reúne mais de 500 mulheres, que usam o grafite contra a violência doméstica.

A organização promove oficinas do projeto Grafite pelo Fim da Violência Doméstica Contra a Mulher, em comunidades e escolas públicas do Rio de Janeiro.

O bate-papo aborda percepção de gênero, tipos de violência e ferramentas da Lei Maria da Penha, marco legal para responsabilização de agressores. Os temas são depois transpostos para os muros como atividade final da oficina. “O grafite é uma solução nova para antigas demandas, é revolucionário, é como a arte sempre foi usada”, diz Panmela.

Clique aqui e conheça a América Latina: 

Cataratas do Iguaçu do Brasil e da Argentina

Conheça o Chile e passe por experiência únicas

Tango, Carne e belezas naturais, a fascinante Argentina

São Paulo um dos maiores centros culturais do mundo!

Uruguay de Punta del Este a Montevidéu um país livre para todos!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Rolê na Fronteira
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do...
Feira Livre de Trocas da Tríplice Fronteira acontece no domingo, dia 10 de novembro em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
Sociedade
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
Em 6 meses, 35 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica
VISUALIZAR
Sociedade
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
MPPR propõe denúncia por crimes na gestão do transporte em Foz do Iguaçu
VISUALIZAR
América Latina
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
Argentina: Fernández e Kirchner vencem Macri em retomada da esquerda
VISUALIZAR
América Latina
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
Bogotá elege Claudia López prefeita, primeira mulher a comandar a capital da Colômbia
VISUALIZAR
Agenda de Eventos
2ª Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
2ª  Marcha da Diversidade e do Orgulho LGBTTQIAP+ da Tríplice Fronteira
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )